Segundo o presidente da Associação Portuguesa de Empresas de Diversão (APED), Luís Fernandes, os protestos começam pelas 08:30 com uma concentração junto ao Ministério das Finanças e, às 10:00, terá lugar outra manifestação junto ao Ministério da Administração Interna.

Cerca das 11:00, os associados da APED “vão estar presentes na sessão pública da Câmara de Lisboa sobre a nova Feira Popular”, no Capitólio, adiantou o presidente da direção daquela associação.

Da parte da tarde, cerca das 14:00, terá lugar uma nova concentração junto ao Ministério das Finanças.

Os empresários dos carrosséis e outras diversões exigem a aplicação da resolução 80/2013, aprovada por todos os partidos políticos no parlamento, publicada em Diário da República e que “recomenda ao Governo o estudo e a tomada de medidas específicas de apoio à sustentabilidade e valorização da atividade das empresas itinerantes de diversão”.

Entre as medidas de apoio à atividade, pretendem voltar a ter alvarás de cultura que lhes permitam descer o Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) de 23% para 13%.

Os empresários realizaram em novembro de 2016 um conjunto de protestos que duraram alguns dias, além de outras iniciativas nos últimos anos.

Luís Fernandes contou que, em dezembro, o setor esteve reunido com o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Rocha Andrade, na qual o governante “pediu um mês” para analisar a situação.

No entanto, passado mais de um mês, como a APED ainda não obteve resposta, a direção decidiu avançar com “manifestações espontâneas” em Lisboa.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.