com o apoio MEO
em modo Escuro poderá poupar até 30% de energia. Saiba mais

Episódio 3: E tudo correu bem, para eles e para os morangos

Mais de 350 quilómetros separam a casa habitual desta família e a quinta para onde resolveram ir viver quando chegou a pandemia. Em março, mudaram-se de Lisboa para Viana do Castelo. Cinco meses depois, de uma simples deslocação nasceu uma horta (com visitas inesperadas) e uma iniciativa pedagógica para as crianças da comunidade. Esta é a história da Francisca, do João e dos seus três filhos - mais uma quarta a caminho.
Episódio 3: E tudo correu bem, para eles e para os morangos
Fotografia: Margarida Alpuim | Ilustração: Rodrigo Mendes

Ouça aqui o terceiro episódio da série "O que se ouve quando o país pára":

A pandemia pode levar uma família a deslocar-se centenas de quilómetros, mudar de um apartamento fechado num grande centro urbano para a liberdade e o ar livre de uma quinta, mas há histórias que parece que estão destinadas a ir na bagagem para onde quer que se viaje.

Onde houver crianças aos saltos, haverá sempre aventuras e desventuras. E se no campo alguns riscos ficam minimizados, a Francisca mostrou-nos que há imprevistos de que não é possível fugir.

“Uma das coisas que nós dissemos aos miúdos quando chegámos foi que não queríamos ir aos hospitais e que tínhamos de ter cuidado para não haver acidentes”. 

"O que se ouve quando o país pára"

Episódio 1: O silêncio das pedras mortas

Episódio 2: Como assim uma largada de touros se as festas estão proibidas? Assim, de bicicleta

Episódio 3: E tudo correu bem, para eles e para os morangos

Episódio 4: “Um gajo sempre andou aqui. Tem saudades disto”. A história de Ivo e dos outros que ficaram longe do mar

Episódio 5: Eles já lá estavam, mas quando nos fechámos em casa é que os vimos melhor

Episódio 6: “A gente sentir-se só é muito triste”. Quando as portas se fecharam, só sobrou silêncio na vida de Alzira e Maria das Dores

Episódio 7: “Estamos aqui no paraíso, o vírus não tem cá que fazer”

“O Vasco, que é assim o mais destemido e mais aventureiro, logo no segundo dia em que chegámos partiu a cabeça a fazer ginástica. Não era uma coisa muito grave, mas era um golpezinho. Tratou-se em casa”.

“Passado uns tempos”, continuou, “o Vasco - também - caiu de bicicleta e partiu a cabeça. Aí, sim, era um golpe mais fundo, mas também não foi ao hospital e também tratámos em casa”.

Mas não ficou por aqui: “O Guilherme também já partiu um dedo do pé”. “Dessa vez tivemos de ir ao hospital para fazer um raio-x e ver o que era”, explicou a Francisca, dizendo que acabou por ficar tudo bem e que, com estes acidentes, os filhos tinham até aprendido a estar mais atentos ao corpo e à forma como ele se cura e regenera.

No próximo episódio viajamos até ao sul, com o som de fundo do mar e vozes que trazem expressões como "arrume-se aqui ao pé deste" e "raspe-se daqui para fora".


“O que se ouve quando o país pára” é uma coleção de histórias e de sons que nos mostram como a vida das pessoas e dos lugares foi afetada quando Portugal parou por causa da covid-19.

Pode acompanhar esta série no nosso siteFacebookInstagram e Twitter. Ou ouvir em formato podcast no Spotify, Google PodcastsApple Podcasts ou noutras plataformas de podcasts.


Francisca Pimentel e João Sebes com os três filhos, Vasco (à esquerda), Guilherme (à direita) e Alice. créditos: Margarida Alpuim | MadreMedia

Horta criada pela família durante o confinamento. Aqui têm produção de couves, alface, morangos, courgettes, tomate, alho francês, entre outros. créditos: Margarida Alpuim | MadreMedia

Detalhe da zona dos morangos na horta. créditos: Margarida Alpuim | MadreMedia

Roda no início das atividades pedagógicas criadas para as crianças da comunidade, numa zona arborizada da quinta. créditos: Margarida Alpuim | MadreMedia

Livro usado no início das atividades com as crianças. Em cada sessão, é contada uma história diferente. créditos: Margarida Alpuim | MadreMedia

Jogos na lama durante a tarde de atividades na quinta. créditos: Margarida Alpuim | MadreMedia

Baloiço feito com materiais encontrados na quinta para os momentos de brincadeira durante as atividades e para estimular o desenvolvimento do equilíbrio. créditos: Margarida Alpuim | MadreMedia

Um dos momentos das atividades é uma caminhada pela quinta. créditos: Margarida Alpuim | MadreMedia

Durante as caminhadas, as crianças visitam os animais da quinta: vacas, patos, coelhos, etc. créditos: Margarida Alpuim | MadreMedia

Vista panorâmica da quinta em Vila Nova de Anha (Viana do Castelo). créditos: Margarida Alpuim | MadreMedia

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Veja mais sobre

Veja também

 
 
 

Comentários

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa , as nossas notificações ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.
mookie1 gd1.mookie1