As boas-vindas ao novo presidente dos EUA, o republicano Donald Trump, começaram ontem, quinta-feira, 19 de janeiro, com uma cerimónia de homenagem no cemitério militar de Arlington, em Virgínia, e com um concerto no memorial Lincoln, em Washington.

No entanto, a tomada de posse propriamente dita só acontece hoje e tem início marcado para as 9h30 (14h30 em Portugal) com uma performance musical. As primeiras declarações acontecem às 11h30 (16h30, em Portugal) e o juramento está marcado para as 12h00 (17h00 em Portugal).

Segue-se a parada inaugural, com cerca de oito mil participantes de quarenta organizações, que parte dos degraus do Capitólio e vai até à Casa Branca. Estão ainda previstos três bailes inaugurais este fim de semana que contarão com a presença de Donald Trump e da sua esposa Melania. Para sábado, dia 21, está previsto um serviço inter-religioso na Catedral Nacional de Washington.

Na cerimónia desta sexta-feira, Jackie Evancho vai cantar o hino nacional. Evancho é uma jovem de 16 anos que ficou em segundo lugar no concurso “America’s Got Talent”, em 2010, e que já atuou para a família Obama em ocasiões anteriores. Conta-se ainda com a participação do coro da Universidade Estadual do Missouri e de um coro Mórmon, assim como das The Radio City Rockettes.

Tanto no caso do coro Mórmon como das Rockettes, a participação nesta cerimónia não foi consensual. Jan Chamberlin, um dos membros deste coro - composto por 360 pessoas - decidiu sair quando soube que o coletivo iria atuar para Trump. “Só sei que nunca poderia atirar rosas a Hitler. E certamente nunca conseguiria cantar para ele”, escreveu este na sua página de Facebook. Phoebe Pearl, das Rockettes também manifestou o seu descontentamento nas redes sociais, dizendo que se sentia “envergonhada e desapontada” com a decisão. Escreve a CBS que a partir de então as participantes das Rockettes podiam inscrever-se de forma voluntária para participar neste evento.

São esperadas entre 800 mil e 900 mil pessoas em Washington esta sexta-feira para a tomada de posse, face a 1,8 milhões que marcaram presença no primeiro evento de tomada de posse de Obama, em 2009.

A acrescentar a estes números está ainda o dos manifestantes. As autoridades preveem que 99 organizações se manifestem a favor ou contra o novo presidente dos EUA ao longo do fim de semana. No dia 21 de janeiro, destaque para a marcha de mulheres em Washington. A organização antecipa que estejam presentes mais de 100 mil pessoas, entre os quais algumas celebridades, como America Ferrera,  Amy Schumer, e Scarlett Johansson.

A segurança durante a cerimónia é uma das prioridades, sendo que estão destacados cerca de 28 mil oficiais, entre os quais, 10 mil agentes do departamento se segurança nacional, 12 mil de agências de segurança federais (como a Guarda Nacional), 2.800 agentes do departamento de polícia de Washington e outros 3.200 agentes de outras forças de segurança.

Os antigos presidentes Jimmy Carter, Bill Clinton e George W. Bush deverão marcar presença na cerimónia de juramento, assim como Bill e Hillary Clinton, rival democrata de Trump nestas eleições e ex-secretária de Estado de Barack Obama.

Quanto vai custar a tomada de posse de Donald Trump?

O magnata republicano Donald Trump, o novo presidente dos EUA, prometeu uma cerimónia de inauguração ou tomada de posse “muito, muito especial e muito bonita” e que, segundo a CBS custará cerca de 200 milhões de dólares (cerca de 187 milhões de euros).

A televisão norte-americana escreve que os custos estimados da tomada de posse oscilam entre os 175 milhões e os 200 milhões de dólares, com a maior parte da fatura relacionada com despesas de segurança, transporte e serviços de emergência.

No entanto, o comité inaugural de Trump, a quem cabe a preparação das cerimónias associadas à tomada de posse, conseguiu angariar 90 milhões de dólares (84,2 milhões de euros) através de doações privadas. Estes donativos oscilam entre os 25 mil e 1 milhão de dólares (entre 23 mil e 936 mil euros), sendo que quanto maior o valor, maiores as regalias associadas.

Quem apoiar Trump com 1 milhão de dólares poderá usufruir de um jantar à luz das velas onde Trump, o vice-presidente Mike Pence e as respetivas esposas, Melania e Karen, marcarão presença.

Estão previstos três bailes oficiais este fim-de-semana, sendo que para a Gala da Liberdade os bilhetes já esgotaram. No entanto, há ainda entradas para os outros eventos. Os preços dos bilhetes oscilam entre os 150 dólares e os mil dólares por pessoa (entre 140 e 936 euros).

Para aqueles que desejam pernoitar em Washington, o preço médio por noite no Airbnb ronda os 129 dólares (121 euros) e nos hotéis é de 462 dólares (2 pessoas por noite).

Aqueles que pretendem assistir à tomada de posse e à parada poderão fazê-lo gratuitamente, sendo que há bilhetes à venda para quem preferir assistir de locais privilegiados.

Deste lado do Atlântico, o SAPO24 vai estar a acompanhar ao minuto a tomada de posse de Donald Trump, com comentário de José Couto Nogueira. A par, estaremos no Salão Nobre da Reitoria da Universidade de Lisboa a acompanhar a Conferência "Trump Day”, do Instituto Europeu, onde será discutida a política económica do novo presidente dos EUA, assim como as relações internacionais e os novos equilíbrios geoestratégicos com o republicano sentado na Sala Oval. Desta forma, podemos dar-lhe conta sobre as expectativas e questões que se colocam com a abertura deste novo capítulo na história dos EUA e do mundo.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.