O processo de recenseamento automático de eleitores residentes no estrangeiro decorre de uma alteração legal, aprovada pela Assembleia da República em 2018, resultou num aumento do número de eleitores.

“Esse processo decorreu e determinou um crescimento de 300 mil para mais de 1,4 milhões de cidadãos nacionais residentes no estrangeiro que passaram a estar no recenseamento”, afirmou o ministro numa reunião, na comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais em que apresentou o projeto-piloto de votação eletrónica no distrito de Évora nas eleições europeias de 26 de maio.

No último recenseamento disponível no ‘site’ da Comissão Nacional de Eleições, de dezembro de 2018, podem votar nas europeias 10,8 milhões de eleitores, incluindo cidadãos da União Europeia.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.