O regresso do SMO “como panaceia para a falta de efetivos não é boa solução sem esgotar as soluções adotadas” no atual momento, afirmou Faria de Meneses ao intervir na escola de quadros da Juventude Popular (JP) em Peniche, Leiria, convidado a falar sobre os desafios da Defesa Nacional, e em resposta a uma pergunta de um participante.

O general questiona se a solução é “voltar a apostar em quantidade, com pouca qualidade” do que em militares com formação, dado que as Forças Armadas podem não necessita de 30.000 militares, mas podem minorar os problemas com cerca de 2.000.

Para Faria de Meneses, o atual modelo, baseado no profissionalismo, “tem sido testado ao limite”, atrai pouco os jovens e a solução poderia passar por uma criação de quotas, na função publica ou nas forças policiais, para quem queira fazer carreira militar.

Uma “opção política clara”, afirmou, que tem de ser tomada “pelo Estado como um todo”, não só quanto às reformas necessárias para atrair militares para a carreira, como quanto ao aumento dos com gastos com a Defesa a que Portugal de comprometeu junto da NATO.

Olhando os números, lembrou que 1,3% do PIB pode representar “quase metade do orçamento da saúde”.

“O Estado tem que assumir” essa opção, que “tem um custo político”, disse.

Em julho, o ministro da Defesa, Azeredo Lopes, admitiu discutir o SMO, depois de visitar a Lituânia, país que tem um modelo em que 3.000 a 3.500 passam pelas forças armadas por períodos de nove meses.

A posição valeu-lhe críticas da parte da Juventude Socialista, que se bateu pelo fim do Serviço Militar Obrigatório, em 2004.

Em setembro, Azeredo Lopes afirmou que “não está no horizonte próximo” do Governo essa discussão.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.