Os dois reféns, identificados como Fernando Simon Marman, de 60 anos, e o cunhado, Louis Har, de 70 nascido na Argentina, estão bem de saúde e foram transferidos para centros de saúde para exames médicos, disseram as Forças de Defesa de Israel (IDF, na sigla em inglês).

A libertação dos três reféns aconteceu numa operação conjunta com o serviço de segurança e informações e com a polícia israelita, em Rafah, junto à fronteira com o Egito, de acordo com um comunicado.

O porta-voz das IDF, Avichai Adrai, avançou que as forças israelitas invadiram o edifício residencial e libertaram os reféns de um apartamento no segundo andar, depois de confrontos com homens armadas.

O exército israelita acrescentou que “três terroristas foram mortos no edifício”, indicou num relatório preliminar.

Adrai referiu que a força aérea israelita lançou “uma onda de ataques contra dezenas de alvos pertencentes” a uma brigada afiliada ao Hamas para permitir que os agentes conseguissem levar os reféns ao local onde foram recolhidos de helicóptero.

A mulher de Louis Har, Clara Marman, de 62 anos, a irmã Gabriela Leimberg, de 59, e a sobrinha, Mia, de 17, tinham sido libertadas em 28 de novembro, no âmbito de uma trégua negociada pelo Qatar e pelos Estados Unidos entre o Hamas e Israel.

A família de Fernando Simon Marman e Louis Har tinha sido raptada pelo Hamas num colonato durante o maior ataque do movimento islamita em solo israelita, em 07 de outubro, que desencadeou o conflito com o grupo palestiniano na Faixa de Gaza.

O ataque do Hamas fez mais de 1.100 mortos e cerca de 250 reféns, sendo que mais de 100 continuam em cativeiro.

O anúncio da libertação dos dois reféns ocorreu horas depois das IDF terem lançado vários ataques aéreos contra Rafah. Inicialmente, o Ministério da Saúde de Gaza, controlado pelo Hamas, disse os ataques tinham causado 100 mortos.

O exército de Israel disse ter realizado “uma série de ataques contra alvos terroristas na área de Shabura”, uma zona de Rafah, de acordo com um comunicado.

Testemunhas citadas pela agência de notícias Associated Press mencionaram pelo menos 17 ataques aéreos, além de disparos de helicópteros.

No domingo, o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, ordenou ao exército que preparasse uma ofensiva contra Rafah, onde chegaram, nas últimas semanas, mais de 1,3 milhões de palestinianos em fuga da guerra.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.