Veronika Skvortsova disse ainda que 39 pessoas foram hospitalizadas na sequência da explosão.

Uma bomba improvisada cheia de estilhaços explodiu hoje dentro de um comboio entre duas estações de metro no centro de São Petersburgo, informou o Comité Nacional Antiterrorista russo.

A agênciarussa Interfax diz que a bomba parece ter sido colocada no comboio e não detonada por um bombista suicida.

De acordo com as agências russas, que citavam fontes dos serviços de emergência da cidade de São Petersburgo, a explosão teria causado pelo menos dez mortos. As autoridades locais também falaram em 50 feridos.

No entanto, a ministra Veronika Skvortsova disse que 39 pessoas foram hospitalizadas na sequência da explosão.

O presidente russo, Vladimir Putin, que se encontra em São Petersburgo – a segunda maior cidade russa – já afirmou que todas as causas estão a ser investigadas, incluindo a possibilidade de um atentado terrorista.

O líder da comissão de segurança na câmara alta do Parlamento russo, Viktor Ozerov, foi mais categórico: “Todos os sinais de um atentado terrorista estão lá. O conjunto de medidas contra o terrorismo no país falhou”.

Imagens da estação de Sennaya Ploshchad exibidas na televisão estatal mostram a porta de um comboio rebentada, com passageiros ensanguentados e aturdidos deitados no chão e rodeados de fumo.

Toda a rede de metro foi fechada após o ataque e a segurança foi reforçada na cidade, de cinco milhões de habitantes.

O Comité Nacional Antiterrorista anunciou que a segurança seria também reforçada em todas as instalações de transportes importantes, na sequência da explosão.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.