Numa nota divulgada pelo Gabinete do Ministro dos Negócios Estrangeiros, o executivo português refere que o lançamento de um míssil balístico pela República Popular Democrática da Coreia surge como uma violação das obrigações decorrentes de várias resoluções do Conselho de Segurança da ONU.

O ministério chefiado por Augusto Santos Silva "reitera o seu empenho no rigoroso cumprimento" das sanções unanimemente impostas pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas, assim como das medidas autónomas da União Europeia.

"O Governo Português exorta a República Popular Democrática da Coreia a retomar um diálogo sério com a comunidade internacional sobre o seu programa nuclear", conclui a nota do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

A Coreia do Norte disparou um novo míssil balístico no domingo. Segundo a agência de notícias estatal KCNA, trata-se de "um novo modelo de míssil balístico estratégico de médio e longo alcance, o Hwasong-12".

O míssil, disparado pelas 05:30 locais (21:30 de sábado em Lisboa), atingiu uma altitude de 2.111 quilómetros, percorreu cerca de 700 quilómetros e caiu no Mar do Japão.

Na sequência do disparo do míssil, os Estados Unidos e o Japão pediram uma reunião de urgência do Conselho de Segurança das Nações Unidas, que, de acordo com a representação do Uruguai na ONU, que preside ao Conselho de Segurança ao longo do mês de maio, deverá ocorrer terça-feira.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.