Em declarações à agência Lusa, o dirigente da confederação garantiu não contestar o direito à greve, mas referiu haver “outras maneiras de chamar a atenção sem prejudicar pessoas que estão lá fora porque não arranjaram soluções (de trabalho)” no país.

“E agora está na altura de voltarem ou regressarem e porque existe greve não podem ter esse direito, essa satisfação”, disse Francisco Calheiros, depois de qualificar a paralisação entre 27 e 30 de dezembro como a “pior maneira de acabar e começar o ano”.

“A greve extravasa o Turismo”, garantiu o líder da CTP, referindo a dificuldade em “arranjar alternativas” para viajar na altura da greve e que atualmente “não se pode brincar com a segurança”.

Calheiros previu ainda consequências no futuro devido à “imagem que não convém a ninguém” e que pode fazer anular a marcação de férias para Portugal.

A paralisação dos trabalhadores de ‘handling’ (assistência nos aeroportos) e de segurança foi um dos assuntos debatidos na quarta-feira numa reunião com o Presidente da República, numa agenda que incluiu ainda a “preocupação” com o novo aeroporto de Lisboa.

“Os empresários fizeram tudo bem e agora temos tudo preparado e os turistas podem não vir porque não têm ‘slots’ de aeroporto para desembarcar”, lamentou à agência Lusa.

A extensão do atual aeroporto localizado na Portela ao Montijo “tem que ser muito rápida”, defendeu.

Na reunião com Marcelo Rebelo de Sousa foi ainda feito o “balanço bom” de 2016, sublinhando que, “mais do que a questão da ocupação, foi a dos preços”, nomeadamente no Algarve, onde o “aumento do preço foi o dobro do aumento da ocupação”.

“Os mercados comportaram-se todos bem, inclusive o brasileiro, que tinha começado mal e que neste momento já está com cerca de 5% acima do ano passado e França, com mais de 18%, fizeram uma redescoberta” de Portugal, enumerou o dirigente, citando ainda a subida da importância dos norte-americanos.

Para 2017 a grande incógnita é o mercado britânico, na sequência do denominado ‘Brexit’ (saída do Reino Unido do espaço comunitário após um referendo), enquanto há previsões positivas em relação a turistas espanhóis, alemães e franceses.

“Temos grandes grupos confirmados, quer a nível de apresentações de automóveis, quer de congressos médicos, e com a política da TAP para os Estados Unidos prevemos um grande aumento de turistas americanos”, que tendem a ficar mais tempo e a gastar mais do que outras nacionalidades.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.