Guterres, que substituiu no cargo Ban Ki-moon a 01 de janeiro, nomeou uma comissão de nove pessoas para trabalhar numa nova abordagem do problema, dando um sinal claro da sua intenção de reforçar as sanções a aplicar nestes casos, que prejudicam a imagem da ONU.

Este grupo de trabalho vai apresentar rapidamente as suas conclusões sobre este problema, anunciou Stéphane Dujarric, porta-voz das Nações Unidas.

Durante as missões de paz da ONU têm surgido dezenas de acusações de agressões sexuais, mas os países que fornecem os soldados para estas missões têm reticências em perseguir os suspeitos.

De acordo com as regras das Nações Unidas, cabe ao país de origem dos soldados castigar os militares acusados de má conduta durante as suas missões ao serviço da ONU.

Mas grupos de defesa dos direitos humanos têm criticado a falta de ação contra estes acusados, que muitas vezes nem são sujeitos a inquérito ou são apenas castigados com sanções ligeiras.

Esta nova estratégia para castigar os abusos sexuais fará parte de um relatório que António Guterres apresentará em fevereiro à Assembleia-geral da ONU.

Segundo o relatório apresentado no ano passado, foram feitas 69 acusações de agressão sexual e exploração contra os soldados da paz provenietes de 21 países diferentes.

No último mês o número de acusações era de 82, segundo a página da ONU na Internet.

Cerca de 100.000 soldados e policias de 123 países participam em diferentes missões de manutenção da paz no mund.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.