PCP, PSD e CDS-PP, que tinham iniciativas próprias, fundiram os seus projetos, e o BE acabou por também os subscrever, foi anunciado durante a votação em plenário.

O texto de substituição foi aprovado com a abstenção do PS e do PAN e os votos favoráveis das restantes bancadas.

O projeto do PCP previa "um conjunto de medidas urgentes de apoio às vítimas dos incêndios florestais de Pedrogão Grande e de reforço da prevenção e combate aos incêndios", enquanto a iniciativa do PSD determinava a "assunção por parte do Estado da responsabilidade de indemnizar os herdeiros das vítimas mortais e os feridos graves" dos incêndios, criando o "procedimento de determinação e pagamento dessas indeminizações".

O CDS propunha inicialmente a criação de uma comissão para o ressarcimento das vítimas dos incêndios florestais ocorridos entre 17 e 24 de junho, regulando o processo de pagamento de indeminizações às vítimas destes incêndios, bem como aos respetivos herdeiros".

Dois grandes incêndios florestais começaram no dia 17 de junho em Pedrógão Grande e Góis, tendo o primeiro provocado 64 mortos e mais de 200 feridos. Foram extintos uma semana depois, depois de consumirem mais de 53 mil hectares.

Os fogos da região Centro afetaram aproximadamente 500 habitações, quase 50 empresas e os empregos de 372 pessoas.

Os prejuízos diretos dos incêndios ascendem a 193,3 milhões de euros, estimando-se em 303,5 milhões o investimento em medidas de prevenção e relançamento da economia.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.