“Embora não esteja controlado, o incêndio não será assim tão grave quanto aquele que tivemos o ano passado”, afirmou Vitor Figueiredo à agência Lusa, cerca das 18:00.

Segundo o autarca, “não há casas de habitação em risco, o que está a ser queimado é floresta”.

“Há neste momento três aviões Canadair a fazer descargas e dois helicópteros, muitos operacionais e carros de bombeiros no terreno”, referiu, mostrando-se otimista em relação à evolução favorável da situação.

Aquela zona de S. Pedro do Sul (distrito de Viseu) foi, em agosto de 2016, atingida pelo incêndio que alastrou do concelho vizinho de Arouca (distrito de Aveiro).

“Uma das frentes, que neste momento é a pior, vai na direção da área que já ardeu no ano passado. Portanto, será muito mais fácil extingui-la”, explicou o autarca.

Segundo a página da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) na Internet, o fogo teve início cerca das 14:00, numa zona de povoamento florestal de Manhouce.

Cerca das 18:00, encontram-se no terreno 196 operacionais, apoiados por 54 viaturas e seis meios aéreos, a combater três frentes ativas.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.