"Eu queria dizer que aquilo que disse já tinha dito muitas vezes. Aliás, em cada congresso, a questão estava colocada. Desta vez, há a originalidade de ainda não estarmos à beira de congresso", disse Jerónimo de Sousa, em declarações aos jornalistas no final de um encontro com o Movimento Democrático das Mulheres, na sede do PCP, em Lisboa.

Numa entrevista à agência Lusa divulgada no sábado, o secretário-geral comunista admitiu não ser recandidato à liderança do partido no congresso de 2020 porque "é da lei da vida", mas garantiu que não vai "calçar as pantufas" e continuará militante comunista, sendo a sua continuação no cargo uma decisão do coletivo partidário.

"Em primeiro lugar, para desiludir com certeza os mais apressados, queria dizer que estou em condições de assumir todas as responsabilidades que o meu partido me entenda atribuir", afirmou hoje.

Jerónimo de Sousa, que vai comemorar o seu 72.º aniversário em 13 de abril, completará década e meia como secretário-geral do PCP em novembro.

"Inevitavelmente - é da lei da vida -, acabarei por ter responsabilidades no partido diferentes, alteradas, embora com um sentimento: não vou calçar as pantufas, vou continuar como militante, como a pessoa que sou, a ajudar o meu partido, continuarei a ser comunista", declarou, na entrevista à Lusa, escusando-se a "fazer previsões", pois trata-se de "uma decisão que passa, em primeiro lugar", pelos seus "camaradas".

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.