A decisão foi anunciada hoje pela agência para a autoridade judiciária iraniana, que lembra que, depois de perder por 2-6 com a Inglaterra na primeira jornada, a seleção iraniana, treinada pelo português Carlos Queirós, venceu sexta-feira o País de Gales por 2-0 e defrontará terça-feira os Estados Unidos.

Em caso de vitória, o Irão ficará apurado para os oitavos de final da prova.

“Na sequência de uma ordem especial do Chefe da Magistratura decretada após a vitória da seleção nacional de futebol […] sobre a do País de Gales, foram libertados 709 reclusos de diferentes estabelecimentos prisionais do país”, especifica a agência.

Segundo a Irna, entre os que foram libertados estão “algumas pessoas presas durante os últimos acontecimentos”, acrescentou a Irna sem avançar mais pormenores.

Por “acontecimentos”, a agência noticiosa refere-se aos protestos desencadeados pela morte, a 16 de setembro, de Mahsa Amini, uma jovem curda iraniana de 22 anos que morreu três depois de ter sido detida pela Polícia da Moralidade por, supostamente, quebrar o código de vestimenta estrito do país ao usar incorretamente o ‘hijab’, ou véu islâmico.

Teerão, que considera a maioria das manifestações como “motins”, acusa “forças estrangeiras” de estarem por trás do movimento de protestos com o intuito de desestabilizar a República Islâmica.

Desde o início dos protestos, pelo menos 426 pessoas foram mortas e mais de 17.400 foram detidas, de acordo com os Human Rights Activists in Iran (Ativistas dos Direitos Humanos no Irão), grupo que monitoriza o movimento de contestação em curso, segundo o qual pelo menos 56 membros das forças de segurança iranianas foram também mortos.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.