“Eu desejava e desejo, esperava e espero, que o orçamento passe, não tanto por questões de pormenor, mas porque olho para o mundo, olho para a Europa, vejo que a recuperação está a começar, vejo que a pandemia está em muitos casos, aqui mesmo [no Reino Unido], a voltar, vejo que a situação se está a agravar, vejo que os preços da energia estão a subir. Vejo, portanto, muitos problemas no horizonte”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas.

O chefe de Estado acrescentou de seguida: “uma crise política que só juntaria mais um problema aos problemas que temos e por isso desejava e desejo, esperava e espero que seja possível ter um orçamento”.

"Não é por acaso que na nossa história política não há muitos casos de um orçamento chumbado”, enfatizou.

O Presidente falava após uma visita no museu Tate Britain à exposição retrospetiva das obras da artista portuguesa Paula Rego, que encerra no domingo.

Marcelo Rebelo de Sousa mostrou-se convicto de que no início da próxima semana ∆á será possível saber se os partidos chegaram a um entendimento com o Governo para deixar passar o Orçamento de Estado, que vai a votação na Assembleia da República na quarta-feira.

O Presidente afirmou que não pretende voltar a chamar os partidos, e que tem acompanhado “à distância” os contactos as reuniões partidárias para desbloquear a situação.

"Esse é o momento de um diálogo entre partidos e partidos e Governo. O Presidente da República agora aguarda para ver o epílogo desses contactos e ver o sentido da votação”, vincou.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.