“Peritos da comissão de armas químicas entram em Douma”, anunciou a agência Sana.

Os Estados Unidos e França acusaram a Síria de colocar entraves à investigação dos peritos da OPAQ, cuja chegada a Douma esteve inicialmente prevista para sábado, depois para domingo e, hoje de manhã, adiada para quarta-feira.

Sírios e russos justificaram os adiamentos com “problemas de segurança”.

Na segunda-feira, Washington admitiu que as forças russas, que controlam completamente Douma e toda a região de Ghouta Oriental desde a semana passada, podem ter “visitado e alterado” o local do ataque e Paris admitiu hoje como “muito provável” que “provas e elementos essenciais desapareçam” antes da chegada dos peritos internacionais.

O ataque a Douma, no qual morreram pelo menos 40 pessoas e mais de 500 foram afetadas, esteve na origem dos ataques lançados na madrugada de sábado por aviões de combate dos EUA, França e Reino Unido contra três alvos associados à produção e armazenamento de armas químicas na Síria.

A oposição síria e vários países acusam o regime de Bashar al-Assad da autoria do ataque químico, mas Damasco nega e o seu principal aliado, a Rússia, afirma que ele foi encenado com a ajuda de serviços especiais estrangeiros.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.