"Foi instaurado inquérito que tem por objeto uma situação concreta relacionada com o surto de Mora, no âmbito do qual não deixarão de ser investigados todos os factos que chegarem ao conhecimento do Ministério Público e que sejam suscetíveis de integrarem a prática de crime", confirmou fonte da Procuradoria-Geral da República ao SAPO24.

"Este inquérito é dirigido pelo Ministério Público do DIAP de Évora", confirmou a mesma fonte.

O número de pessoas infetadas com covid-19 na vila de Mora, no distrito de Évora, subiu hoje para 54, mais quatro do que na quinta-feira.

A pandemia levou também ao internamento de cinco pessoas no Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE), quatro nos cuidados intensivos e uma em enfermaria.

Fonte do HESE revelou à Lusa que os quatro doentes internados na Unidade de Cuidados Intensivos Covid, três homens e uma mulher, têm idades entre os 64 e os 69 anos, enquanto o doente hospitalizado em enfermaria, um homem, tem 89 anos.

Este surto surgiu no dia 9 deste mês, quando foram confirmados os primeiros três casos positivos na comunidade, número que tem vindo a subir, todos os dias, à medida que vão sendo testados os contactos de pessoas infetadas.

O inquérito levantado pelo Ministério Público surge depois do presidente da Câmara Municipal de Mora ter dito a meio desta semana à Agência Lusa ter “conhecimento” de “investigações em curso pelas autoridades policiais” sobre o surto de covid-19 na vila, que admitiu poder resultar da “incúria de alguém”.

“Daquilo que tenho conhecimento, é que há investigações em curso pelas autoridades policiais, acerca do doente zero”, porque “desconfia-se que pode ter havido aqui incúria de alguém”, afirmou Luís Simão.

O surto da doença provocada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2 pode dever-se a “alguém que não se terá comportado como devia, no sentido de se ter percebido mais cedo a origem do surto”, declarou o autarca.

“Espero que não se confirme isso, naturalmente. As autoridades estão a investigar”, mas, “se se apurar responsabilidade de alguém, essas pessoas devem ser severamente responsabilizadas”, defendeu.

A GNR disse à Lusa, também a meio desta semana, que "continua a efetuar diligências no sentido de apurar pessoas que eventualmente possam ter desrespeitado ou estejam a desrespeitar as normas em vigor estabelecidas pela Direção-Geral da Saúde”.

O autarca de Mora encontra-se em casa, desde quinta-feira e “durante alguns dias”, por recomendação da Autoridade de Saúde, na sequência dos testes aos trabalhadores do município, esta semana, que revelaram dois infetados.

“O meu teste à covid-19 deu negativo, mas como contactei com documentos passados pelos dois infetados na câmara, tenho de ficar aqui e estou a trabalhar a partir de casa”, contou à Lusa.

Aliás, o encerramento ao público dos serviços municipais, determinado em despacho assinado por Luís Simão, “vai manter-se”.

“Não há outra hipótese. A decisão é esses serviços continuarem encerrados ao público enquanto continuarem a aparecer casos positivos e não tivermos aqui dois ou três dias em que não apareçam mais casos” da doença, justificou.

Até porque, frisou, “estão oito pessoas a trabalhar na câmara municipal”, atualmente, “o resto está tudo em casa, por precaução”.

Segundo o autarca, os testes de rastreio à doença realizados nos lares do concelho, nomeadamente nos de Mora, Cabeção e Pavia, “deram negativo”, faltando apenas “receber os resultados do de Brotas”.

“Os testes aos bombeiros de Mora também foram realizados na quinta-feira, os militares da GNR já foram todos testados e a operação de testagem na comunidade continua a decorrer”, acrescentou.

A câmara ativou o Plano Municipal de Emergência e fechou, no início da semana passada, os serviços de atendimento ao público e outros equipamentos, como a Oficina da Criança, a Casa da Cultura, o Centro de Atividades de Tempos Livres e instalações desportivas.

Com a população confinada em casa, por precaução, fecharam também cafés, restaurantes e outros estabelecimentos comerciais.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.