“O comboio que hoje parte de Lisboa e viaja por toda a Europa ao longo do próximo mês leva consigo a expectativa de milhões de cidadãos e a mensagem que estamos atentos a ela”, afirmou Pedro Nuno Santos, que falava antes do início da viagem do ‘Conecting Europe Express’, destinada a promover os benefícios do modo de transporte ferroviário.

Esta viagem, organizada no âmbito do ano europeu do transporte ferroviário, tem hoje início em Lisboa e termina em Paris, no dia 07 de outubro.

O ministro notou que os cidadãos querem um transporte confortável, que os leve onde precisam de estar, “de forma rápida, barata e com flexibilidade”, que permita mudanças de planos ou acudir a um imprevisto.

Já as empresas querem um transporte “barato e fiável”.

Segundo o governante, para dar resposta aos objetivos de transferência modal e, com isso, reduzir as emissões de gases com efeito de estufa, é necessário resolver estas preocupações das empresas e dos utentes.

“Sabemos que a Comissão Europeia está a preparar um plano de ação que irá trazer propostas de soluções para muitas destas questões […]. Podem contar com o empenho de Portugal neste trabalho”, garantiu, sublinhando que o comboio não é só um meio de transporte, mas “algo que gere entusiasmo e move pessoas”.

O ‘Conecting Europe Express’ “mais do que um comboio é uma celebração e uma oportunidade de nos juntarmos para colocar [este meio de transporte] no centro da mobilidade”, considerou, por sua vez, a comissária europeia dos transportes, Adina Vălean.

Na conferência de imprensa que se seguiu a esta sessão, Pedro Nuno Santos reiterou que está a ser feito um esforço “inquestionável” para melhorar a ferrovia, mas ressalvou que “muitos problemas” vão continuar a existir.

“Estamos longe de ter a melhor rede ferroviária e serviço ferroviário, mas queremos inverter esse estado”, precisou.

O comboio partiu da Gare do Oriente pelas 15:55 e terá a sua primeira paragem na Covilhã.

Ministro das Infraestruturas aponta falhas da Europa na interoperabilidade e afasta migração total da bitola

O ministro das Infraestruturas apontou hoje falhas na Europa em matéria de interoperabilidade, mas afastou, para já, uma migração total da bitola ibérica para a europeia face à dimensão do investimento.

“A organização deste comboio [‘Conecting Europe Express’] mostrou bem as dificuldades que nós ainda temos na Europa em matéria de interoperabilidade. Há um caminho ainda muito longo a ser feito a esse nível”, afirmou Pedro Nuno Santos, que falava aos jornalistas, na Gare do Oriente, em Lisboa, antes da partida do comboio.

A viagem do ‘Conecting Europe Express’, que foi organizada no âmbito do ano europeu do transporte ferroviário, tem hoje início em Lisboa e termina em Paris no dia 07 de outubro.

Contudo, o ministro notou que a transição da bitola ibérica para a europeia, que se relaciona com a largura dos carris e que está também dependente de Espanha, não é o único problema.

Em causa, está, por exemplo, um conjunto de diferenças administrativas, sendo que a Comissão Europeia está a preparar uma proposta para resolver estes obstáculos.

Ainda no que se refere à bitola, o governante adiantou que, até agora, o Governo espanhol não apresentou nenhum plano tendo em vista fazer a migração para a europeia.

“O que era mais inteligente, para nós [Portugal], era fazer uma infraestrutura com bitola ibérica, mas com travessas polivalentes, preparadas para, quando chegar a hora, fazer a migração”, precisou.

Pedro Nuno Santos defendeu ainda que uma migração total significaria um investimento de “dimensão tal” que tiraria disponibilidade financeira para “fazer outras coisas ainda mais importantes” em matéria de ferrovia.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.