Um casal de etnia Kazakh morreu a 1 de maio, depois de ingerir carne de marmota crua. As autoridades tinham já alertado a população contra a ingestão desta carne, que pode transportar Yersinia pestis, a bactéria da peste bubónica — conhecida por peste negra na Idade Média. Contudo, algumas pessoas ignoraram os avisos, pois acreditam que consumir as entranhas deste roedor é benéfico para a saúde, conta o The Guardian.

Foram declarados seis dias de quarentena na região, impedindo nove turistas da Rússia, Alemanha e Suíça de regressarem aos seus países.

Sebastian Pique, voluntário do Corpo de Paz Americano que vive na região há dois anos, disse que tanto ele como os turistas foram convidados para o escritório do governador local na sexta-feira para serem informados sobre a situação da peste bubónica.

"Depois de ter sido anunciada a quarentena, poucas pessoas — mesmo os locais  — estavam nas ruas por medo de serem contagiadas", referiu.

Segundo o US National Center for Zoonotic Disease, pelo menos uma pessoa morre de peste bubónica todos os anos, na Mongólia, devido ao consumo desta carne. Esta doença matou milhões de pessoas na Idade Média, mas hoje em dia os casos são muito raros. A peste bubónica é transmitida por pulgas e causa inchaço nos gânglios linfáticos. Entre os humanos, a doença pode ser transmitida pela tosse.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.