Segundo a fonte, o inquérito não tem arguidos constituídos.

O inquérito é dirigido pelo Ministério Público do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) do Porto e está em segredo de justiça.

Na quinta-feira, a Polícia Judiciária fez buscas na Universidade do Minho, numa investigação relacionada com a anterior gestão dos Serviços de Ação Social, disseram à Lusa fontes policiais e daquela academia

O anterior administrador dos Serviços de Ação Social da Universidade do Minho, Carlos Silva, disse hoje à Lusa que foi ele mesmo quem entregou um processo no Ministério Público, que terá estado na base das buscas.

“Entreguei processo no Ministério Público, mas não posso dizer mais nada”, adiantou Carlos Silva.

Fonte da PJ disse que as buscas decorreram ao longo de todo o dia de quinta-feira, na sequência de mandados de busca emitidos pelas autoridades judiciais.

Carlos Videira, assessor do atual administrador dos Serviços de Ação Social da Universidade do Minho, confirmou que a investigação está relacionada com a anterior gestão daqueles serviços.

Carlos Silva foi administrador dos Serviços de Ação Social desde 1996, cargo que abandonou em outubro de 2017, sendo atualmente administrador executivo da InvestBraga, agência de desenvolvimento económico da Câmara de Braga.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.