O porta-voz do Estado-Maior General das Forças Armadas, comandante Pedro Coelho Dias, disse à Lusa, cerca das 23:00 em Lisboa, que o navio-patrulha da Marinha portuguesa, em missão em São Tomé e Príncipe, "continua a fazer buscas".

Na sexta-feira, ao nascer do dia, "o navio vai tentar perceber" se consegue avançar com mergulhadores para verificar se existem pessoas presas na embarcação naufragada, que "está à tona, mas completamente virada", adiantou.

Pedro Coelho Dias referiu que a embaixada portuguesa em São Tomé, com a qual tem tido contacto através do adido militar, "não confirma que estão portugueses entre os desaparecidos".

"A informação que nós temos, e que continua a tentar ser validada, é que não existem portugueses", afirmou o porta-voz do Estado-Maior General das Forças Armadas.

A Lusa tentou obter mais informações junto do gabinete do secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, e da embaixada portuguesa, mas sem sucesso até ao momento.

O presidente do governo regional do Príncipe, José Cassandra, referiu que estavam "registados três estrangeiros que vinham no barco", duas cidadãs portuguesas e um francês, embora tenha indicado tratar-se de "informações não confirmadas".

Um balanço anterior das autoridades são-tomenses dava conta de duas cidadãs portuguesas desaparecidas.

Segundo o primeiro-ministro são-tomense, Jorge Bom Jesus, o "Amfitriti" partiu na noite de quarta-feira de São Tomé com 64 passageiros e oito tripulantes a bordo, tendo sido enviado um alerta de naufrágio, por um outro navio, às 04:00 de hoje.

O navio, que fazia a ligação entre as ilhas de São Tomé e do Príncipe, uma viagem que dura entre seis e oito horas, zarpou do porto de São Tomé com destino à cidade de Santo António e adornou já perto da ilha do Príncipe, afundando-se em seguida. Cinquenta e cinco pessoas foram resgatadas com vida.

As causas do naufrágio são ainda desconhecidas.

O NRP "Zaire", com uma guarnição constituída por militares portugueses e são-tomenses, navegou de imediato para o local do naufrágio.

A bordo seguiu uma equipa de mergulhadores da Guarda Costeira de São Tomé e Príncipe e uma equipa médica que se junta ao enfermeiro do navio português e é formada por um médico e um socorrista do Exército de São Tomé e um enfermeiro da Guarda Costeira local.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.