O número de vítimas mortais pode aumentar devido à subida generalizada dos caudais dos rios, que pode ser a próxima fase do “desastre em acumulação”, na expressão usada pela Associated Press.

Apesar de a intensidade da tempestade ter sido diminuída pelo Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos para uma depressão tropical, as autoridades sublinham que o perigo ainda existe, nomeadamente pelo efeito de transporte das águas do oceano para terra.

A 14.ª vítima mortal é um homem que se afogou quando a sua carrinha de caixa aberta capotou e foi sugada por um esgoto de escoamento na Carolina do Sul, já depois de duas outras pessoas terem morrido de inalação de monóxido de carbono lançado pelo gerador que estava dentro de casa.

Cerca de 740 mil casas e escritórios continuam sem eletricidade nos estados da Carolina do Sul e do Norte, temendo-se que durante semanas os habitantes possam não ter água nem luz nas suas casas.

O furacão Florence, que inicialmente atingiu a costa sudeste dos Estados Unidos, foi perdendo intensidade, transformando-se em tempestade tropical e, hoje, em depressão tropical.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.