"O nosso estudo (...) questiona a ideia por trás do uso de antidepressivos", afirmaram no fim de julho os psiquiatras Joanna Moncrieff e Mark Horowitz no site The Conversation, após a publicação da investigação na revista Molecular Psychiatry.

O estudo aborda a questão da serotonina, uma molécula essencial para a transmissão de emoções ao cérebro.

A hipótese, em vigor nas últimas décadas e que serviu para uma vasta literatura científica, pressupõe que uma pessoa que não produz serotonina suficiente precisa de um suporte químico.

A nova investigação, baseada em uma compilação de publicações prévias e por isto mais sólida que um trabalho isolado, conclui que o vínculo entre um défice de serotonina e a presença da depressão não é determinante.

A apresentação do estudo, feita por Joanna Moncrieff, uma psiquiatra conhecida pelo ceticismo a respeito das explicações biológicas para a depressão, provocou críticas.

"Globalmente, concordo com as conclusões dos autores, mas não compartilho das suas certezas tão inflexíveis”, comentou o psiquiatra britânico Phil Cowen na Science Media Center.

"Nenhum profissional da saúde mental ousaria afirmar que um problema tão complexo como a depressão surge de um único neurotransmissor", disse Cowen.

Alguns críticos ressalvam que a nova compilação dos psiquiatras não mede diretamente o nível de serotonina, e sim a presença indireta.

Moncrieff, que é uma crítica ferrenha da indústria farmacêutica, afirma que a comunidade psiquiátrica continua dominada pela teoria da serotonina. "Há psiquiatras famosos que começam a duvidar do vínculo entre depressão e défice de serotonina, mas ninguém se preocupou em alertar o público", ironiza no seu blog.

Para o psiquiatra suíço Michel Hofmann, os autores do novo estudo dão um passo além da investigação. Ao questionar a ligação entre a serotonina e a depressão, sugerem que os antidepressivos não devem ser utilizados.

"É um estudo sério (...) mas não acredito que seja um artigo que tenha impacto a curto prazo sobre a prescrição de antidepressivos", disse o especialista à AFP. Moncrieff explica, no entanto, que não aconselha a interrupção abrupta dos antidepressivos.

Hofmann, assim como outros psiquiatras, recorda que estes medicamentos demonstraram eficácia no momento de aliviar a depressão, independente da origem da doença.

"Os mecanismos dos medicamentos utilizados no tratamento da depressão são geralmente múltiplos e, na maioria dos casos, não sabemos de forma precisa o que faz com que um tratamento seja eficaz", explica.

O debate a respeito da serotonina ilustra o mistério a respeito de uma doença complexa, uma das mais importantes pelo seu impacto nas sociedades ocidentais. "Continuamos no campo das hipóteses, a investigar e a confrontar os modelos", conclui Hofmann.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.