Numa nota publicada na sua página oficial, a Câmara do Porto refere que "já não será possível ver os turistas de passagem pelo Porto a tirar a habitual foto junto à estátua O Ardina".

Em resposta à agência Lusa, a autarquia esclareceu que a estátua, da autoria de Manuel Dias, vai ser removida da Praça da Liberdade na quarta-feira, numa operação que será acompanhada pelo município.

A estátua será guardada numa reserva municipal onde permanecerá até ao final dos trabalhos da Linha Rosa do metro.

De acordo com a autarquia, a nova fase das obras obriga a "ajustes ao traçado da faixa de rodagem, atualmente em serviço no lado nascente", onde está localizada a estátua do Ardina e onde será construída a entrada para a futura estação S. Bento/Liberdade da Metro do Porto.

"A oportunidade será aproveitada para proceder à restauração da icónica escultura que há mais de três décadas homenageia o homem que vendia jornais pelas ruas da cidade do Porto", salienta.

Em junho de 2021, a estátua do Ardina foi alvo de vandalismo, tendo sido arrancada a mão e o jornal que segurava. Posteriormente, os dois elementos foram recuperados pela Polícia de Segurança Pública (PSP) e recolhidos pela divisão de património cultural da Câmara do Porto.

Após o furto, a Câmara do Porto anunciou, em agosto, que o Ardina seria restaurado depois da construção da nova linha de metro.

A autarquia esclareceu então que, no decorrer da construção da Linha Rosa da Metro do Porto, a estátua do Ardina seria "retirada" temporariamente e que só será restaurada “na sua reposição, após as obras".

 A empreitada de construção da Linha Rosa, que se traduz num novo trajeto no Porto entre a zona de S.Bento/Praça da Liberdade e a Casa da Música, arrancou no dia 29 de março.

Com quatro novas estações subterrâneas e um percurso em túnel de quase três quilómetros, esta linha tem o cunho de dois prémios Pritzker [considerados o Nobel da Arquitetura], uma vez que Eduardo Souto Moura é o responsável pelos projetos das novas estações, sendo que a de São Bento é assinada em parceria com Álvaro Siza Vieira.

Em março, o presidente da empresa, Tiago Braga, anunciou que as obras das linhas Amarela e Rosa da Metro do Porto decorrerão "durante três anos", até 2024.

As obras de prolongamento da Linha Amarela e a construção da Linha Rosa representam no total um acréscimo de seis quilómetros e sete estações à rede de metro do Porto e um investimento total superior a 400 milhões de euros.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.