Numa conferência de imprensa em Buenos Aires, onde participará na sexta-feira e no sábado na cimeira de líderes do G20 (grupo das 20 economias mais industrializadas do mundo), Guterres disse ver “com muita preocupação” a escalada da tensão entre Kiev e Moscovo.

O responsável máximo das Nações Unidas pronunciou-se a favor de um diálogo entre as partes para evitar que o conflito escale e sustentou que “é claro que a integridade territorial da Ucrânia deve ser respeitada”.

“Entendo o nível de tensão que há nestes momentos, mas esperemos que se evite o aumento da violência desta situação e que cheguemos a um ponto mais positivo que o atual”, afirmou Guterres.

A Ucrânia anunciou esta quinta-feira que pedirá à comunidade internacional para encerrar o estreito do Bósforo em retaliação pelo apresamento, no passado domingo, no mar Negro de três embarcações das Forças Armadas ucranianas pela guarda-costeira russa, à entrada do estreito de Kertch.

O Governo ucraniano considera que a Rússia bloqueou ‘de facto’ o mar de Azov — partilhado pelos dois países — desde que redobrou as inspeções de barcos no estreito de Kertch, após a inauguração, em maio, da ponte da Crimeia, que une a península (ucraniana entre 1954 e 2014, data em que foi anexada pela Rússia) ao território russo continental.

Por sua vez, o Presidente ucraniano, Petro Poroshenko, declarou-se confiante de que a NATO enviará barcos para a zona do mar de Azov, embora Moscovo diga há vários meses que não permitirá que qualquer embarcação aliada atravesse o estreito de Kertch, que une o mar de Azov ao mar Negro.

O Presidente russo, Vladimir Putin, que também participa na cimeira do G20 em Buenos Aires, defendeu na quarta-feira o uso da força contra os barcos ucranianos, argumentando que aqueles se dirigiam “diretamente” para aquela ponte.

Os ucranianos, por seu lado, insistem em que as suas embarcações foram atacadas e apresadas quando já estavam de regresso ao porto de Odessa, no mar Negro.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.