Oriundos de 43 países, daquelas vítimas 19 eram civis que trabalhavam em agências, fundos e programas da ONU.

Guterres lembrou “o compromisso dos milhares de mulheres e homens de todo o mundo que estão preparados para arriscar tudo para promover a paz e prestar assistência a algumas das pessoas mais vulneráveis e carentes do mundo", segundo um comunicado da ONU.

O chefe da organização destacou que esta, pela sua própria natureza, “é obrigada a atuar em alguns dos ambientes mais perigosos e instáveis do mundo”.

Partilhando a sua indignação por funcionários humanitários e de manutenção da paz serem alvos do seu trabalho, o secretário-geral afirmou que é “essencial exigir justiça e responsabilidade por aquilo que, em muitos casos, constitui crimes de guerra”.

Portugal participa em várias missões da ONU, designadamente através das Forças Armadas, casos de Mali, República Centro-Africana e Colômbia.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.