A festa do 'Inti Raymi' (festa do Sol), que remonta ao império inca, que floresceu nos séculos XV e XVI, foi reintroduzida em 1944. A celebração reúne todos os anos mais de 80.000 pessoas em Cusco, a capital do império inca, a sudeste do Peru.

Este ano, no entanto, o público só pôde participar na cerimónia através de uma transmissão pelas redes sociais.

O ritual decorreu, como é hábito, no templo de Coricancha, na praça maior de Cusco e na fortaleza de Sacsayhuamán, a dois quilómetros de distância, mas com a participação de uma quantidade reduzida de atores.

O ato central foi o simbólico encontro do Inca (o imperador) com o deus Sol na cerimónia conhecida como "Onqoy Mit'a", que significa "em tempos de doença" em quéchua.

O Inca invocou o Sol para que interceda na cura da mãe terra - ou 'Pachamama' - e que erradique o flagelo do coronavírus do planeta. Além disso, pediu que haja comida, saúde e bem-estar, mostraram as imagens transmitidas pelo Facebook.

"Poderoso pai Sol, envia-nos os teus amados cabelos de ouro para que acabe a dor no mundo, pedimos-te de joelhos", rogou um sacerdote inca, outro dos presentes. 

"Os povos choram com tempos de doença. Estão a ser mortas crianças e adultos", acrescentou outro sacerdote na cerimónia, na qual foram queimadas folhas de coca e palo santo.

Fernando Santoyo, da Empresa Municipal de Festejos de Cusco, que organiza a cerimónia, disse que este ano o ritual foi dedicado a pedir que cesse o "dano que a humanidade faz à Terra e ao mesmo tempo pedir que o deus Sol erradique este terrível mal", em alusão ao novo coronavírus.

Por causa da pandemia, participaram na cerimónia apenas uma dezena de pessoas, entre eles o Inca e a Coya (a sua mulher), junto a um séquito, que incluía sacerdotes andinos. Segundo os organizadores, os participantes respeitaram os protocolos para evitar contágios do vírus.

Num outro trecho deste ritual, na esplanada da fortaleza de Sacsayhuamán, aguardavam o Inca em trajes multicoloridos cidadãos dos quatro "suyos" do Tawantinsuyo (as quatro regiões do império inca).

Normalmente, umas 3.500 pessoas pagam até 150 dólares para assistir ao espetáculo nas bancadas, mas a festa também costuma reunir 80.000 pessoas nas colinas ao redor da fortaleza, onde se celebra o ato.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.