“A nossa mensagem é que acreditamos que é absolutamente necessário acabar com os combates imediatamente”, afirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros saudita, o príncipe Faisal bin Farhan, em nome do grupo, apelando ao Conselho de Segurança para que a ONU aprove a resolução sobre o cessar-fogo humanitário em Gaza.

O príncipe saudita lamentou também que pôr fim aos combates não pareça ser “a prioridade da comunidade internacional”.

A ONU deve decidir, talvez ainda hoje, uma resolução que apela a “um cessar-fogo humanitário imediato”, mas que é objeto de intensas negociações face a um possível veto dos Estados Unidos.

“A solução é um cessar-fogo”, declarou o ministro egípcio, Sameh Choukri, enquanto o seu homólogo jordano, Ayman Safadi, acredita que “a prioridade número 1 é parar esta agressão”.

“Se a ONU não adotar esta resolução, dará a Israel carta-branca para continuar o massacre”, acrescentou.

O grupo, que inclui Egito, Jordânia, Catar, Arábia Saudita, Turquia e Autoridade Palestina, deveria ser recebido ainda hoje pelo secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken.

“Espero sinceramente que os nossos parceiros norte-americanos façam mais. Acreditamos que podem fazer mais” para acabar com o conflito entre Israel e o Hamas, concluiu o ministro saudita.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.