No debate que colocou frente-a-frente na CNN Portugal, o secretário-geral do PCP, Paulo Raimundo, em representação da CDU (coligação PCP/PEV), começou por dizer que os comunistas nunca falharão a uma convergência “que responda aos problemas concretos do país”, lembrando o “papel determinante” que o partido teve em 2015, na formação da ‘geringonça’.

Realçando que no dia 10 de março o país “não vai eleger nem primeiros-ministros, nem secretários de Estado” mas sim 230 deputados, Paulo Raimundo insistiu que “a única forma de o PS vir a respostas necessárias, no emprego, no trabalho e no caminho da paz, é com uma maioria diferente”.

“Não é reforçando o PS que nós lá vamos”, defendeu.

DaTambém o porta-voz do Livre Rui Tavares considerou que “a melhor maneira de implementar as ideias do Livre é votar no Livre”, aplicando a mesma lógica ao PCP, numa resposta ao líder do PS, Pedro Nuno Santos, que num debate com o historiador argumentou que a única forma de colocar em prática as propostas do Livre é com um governo socialista.

“Votar no PS às vezes nem para implementar as ideias do PS serve como vimos com a maioria absoluta, que passados dois anos foi ao charco. É uma pressão sobre o eleitorado que deu no que deu, e creio que as pessoas estão muito avisadas perante esse tipo de chantagens”, argumentou Tavares.

O deputado do Livre mostrou-se convicto de que uma maioria à esquerda “de progresso e ecologia” é “mais coerente”, contrapondo que à direita existe “uma incoerência muito grande” e “um processo de canibalização interna”.

Sobre uma proposta do programa eleitoral do Chega, que avança com o direito à greve por parte dos polícias da PSP e da GNR, os dois dirigentes manifestaram o seu acordo, com Tavares a salientar a necessidade de “serviços mínimos e enquadramento legal”.

Paulo Raimundo defendeu a fusão destas duas forças de segurança e Rui Tavares mostrou-se contra a possibilidade proposta pelo Chega de os polícias poderem ter filiação partidária.

“Desconfio muito de partidos que pretendem partidarizar as forças de segurança”, alertou.

O debate decorreu num tom calmo e as únicas divergências entre CDU e Livre surgiram em temas como a União Europeia ou o apoio militar à Ucrânia.

Questionado sobre se a posição do PCP no que toca ao conflito pode afetar os resultados eleitorais, Raimundo respondeu que “estranharia que uma força pela paz fosse penalizada por querer a paz” e criticou o fornecimento de material militar à Ucrânia.

O dirigente comunista defendeu que o partido sempre salientou que “a guerra não começou em 2022, mas sim em 2014” e que os intervenientes não eram apenas a Ucrânia e a Rússia mas também os EUA, a NATO e a União Europeia “que não é neutra neste processo”.

Rui Tavares defendeu a importância do projeto europeu no contexto internacional atual, considerou que não se pode “abandonar a Ucrânia” e manifestou-se contra todos os imperialismos, “seja o dos EUA ou o russo”.

Para o Livre é necessária “uma política externa ancorada na autodeterminação dos povos”, criticando o PS por estar a “arrastar os pés” no reconhecimento do estado da Palestina.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.