A Rússia ainda não assumiu totalmente o controle do espaço aéreo ucraniano, disse o alto funcionário dos EUA.

“A defesa aérea da Ucrânia ainda está ativa, embora tenha sido danificada por ataques aéreos russos. (…) Ainda têm defesa antimísseis e (…) ainda têm aviões que negam acesso (ao espaço aéreo ucraniano) a aviões russos”, informou a mesma fonte.

Além disso, as capacidades de “comando e controlo” do exército ucraniano, que permitem a coordenação de operações militares ao mais alto nível, “estão intactas”, observou o funcionário do Pentágono.

“Acreditamos que, nas últimas 24 horas, os russos perderam um pouco do seu ímpeto”, disse o alto funcionário, explicando que as Forças Armadas russas encontraram “mais resistência do que a que esperavam”.

Contudo, o funcionário do Pentágono destacou que a Rússia deslocou para a Ucrânia apenas um terço das forças que acumulou nas últimas semanas nas fronteiras deste país e que o objetivo de Moscovo de tomar Kiev para instalar um regime pró-russo não se alterou.

“A situação pode mudar. Pode mudar muito rapidamente. Eles têm muito poder de fogo à sua disposição”, disse a mesma fonte.

Até agora, a Rússia avançou no território ucraniano ao longo de três eixos: no sul da Crimeia até à cidade de Kherson, através do Dnieper; no norte da Bielorrússia até Kiev, ao longo de duas rotas para nordeste e noroeste da capital ucraniana; e no leste da cidade russa de Belgorod até à principal cidade industrial de Kharkiv, segundo estimativas do Pentágono.

Embora as forças russas tenham chegado aos arredores de Kiev, ainda não chegaram ao centro da cidade.

A cidade de Kharkiv também ainda não caiu nas mãos do Exército russo e os intensos combates continuam nesta área, disse o funcionário do Pentágono.

A sul, a ofensiva contra Kherson continua, mas alargou-se para oeste, com o desembarque de vários milhares de soldados russos no Mar de Azov e no Mar Negro, em direção à cidade de Mariupol, segundo o Pentágono.

Hoje, unidades de infantaria da Marinha russa lançaram uma ofensiva a oeste da cidade de Mariupol, nas margens do Mar de Azov, na região separatista de Donetsk, disse a fonte do Pentágono, referindo-se a um “ataque anfíbio” com milhares de fuzileiros navais.

As forças russas também estão a tentar assumir o controlo de uma importante fábrica de Kakhovka, a noroeste de Kherson, onde os combates continuam.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.