Em comunicado, a PJ refere que, com aquela prática, a detida “pôs em perigo a saúde e a vida de vários doentes do foro psiquiátrico”.

Segundo a PJ, a mulher intitulava-se médica psiquiátrica e procedia à realização de consultas daquela especialidade, conseguindo “ludibriar diversos clientes, dos quais obteve grandes somas de dinheiro, aproveitando-se das suas debilidades físicas e psicológicas”.

Após uma denúncia e consequente investigação, a PJ deteve na quarta-feira a “falsa psiquiatra” e recolheu “importantes e sólidos elementos de prova, que vieram demonstrar a continuação da atividade criminosa, que perdurará, pelo menos, desde há cerca de dois anos”.

Foram apreendidos vários equipamentos informáticos, quantias em dinheiro, medicamentos e material relacionado com a atividade criminosa em causa.

A mulher, que se terá chegado a intitular diretora do Serviço de Psicologia e Psiquiatria do Hospital de Braga, é suspeita da prática de crimes de burla qualificada e usurpação de funções.

Vai ser presente à autoridade judiciária competente no Tribunal de Braga, para aplicação das respetivas medidas de coação.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.