Depois do projeto de lei ter sobrevivido a um turbulento percurso na Assembleia Nacional deste território americano, o governador Ricardo Rossello Nevares aprovou a lei  que permite o uso de canábis para fins medicinais, este domingo.

Com esta nova lei, Porto Rico passa a ter uma base legal para o uso medicinal da canábis e abre caminho para que pessoas com cancro e outras doenças não sejam detidas pela sua posse ou pela posse de produtos derivados.

O governador anterior já tinha legalizado o seu uso por decreto, uma vez que os legisladores rejeitaram a lei que também legalizava o uso da canábis para fins recreativos.

Rossello Nevares anunciou ainda que a nova lei dará um grande impulso económico à ilha que possui uma dívida de 74 biliões de dólares.

Uma das receitas serão as multas aplicadas a uma série de infrações, desde empresas que venderão canábis a pessoas sem cartão de permissão médica ou ao armazenado incorreto, até aos responsáveis pelas plantações que não estão cuidadas.

Cerca de 10% das receitas fiscais provenientes da venda da canábis medicinal irão para o principal hospital do país, que está atravessando problemas financeiros, declarou Rossello Nevares.

E 50% de todo o dinheiro arrecadado com as multas irão para a Universidade de Porto Rico, que também enfrenta grandes problemas económicos.

Embora os medicamentos não sejam tributados em Porto Rico, a canábis medicinal será.

O governador também manifestou a esperança de que a indústria da canábis medicinal crie 50 mil postos de trabalho na ilha onde vivem cerca de 3,2 milhões de pessoas e que tem uma taxa de desemprego de 12,3%.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.