A presença de técnicos para combater o mosquito que propaga a doença foi entendida pelos residentes como uma pesquisa para a atividade de indivíduos que, durante a noite, lhes retiram o sangue com instrumentos especiais, referiu o secretário permanente do distrito de Mulevala, Abdul Jamal, citado hoje pela Rádio Moçambique.

Os incidentes ocorreram em Morrua, na província da Zambézia, centro de Moçambique, onde além do ataque a uma residência a população tentou vandalizar o posto policial e a casa de técnicos da saúde.

O mito “chupa-sangue” é recorrente e já tinha motivado distúrbios em que morreram duas pessoas, na madrugada de quinta-feira, em Gilé, também na província da Zambézia.

“O ‘chupa sangue’ parece uma figura projetada pelas populações descontentes e simboliza um governo local que não consegue criar condições para que a vida das pessoas seja mais digna”, disse à Lusa, na sexta-feira, o antropólogo moçambicano Segone Cossa, ao comentar a agitação.

Por seu turno, Tirso Sitoe, também antropólogo moçambicano, salientou, na mesma altura, que não basta “dizer simplesmente que [a história do ‘chupa-sangue’] se trata de um boato”.

“Esta afirmação não tem em si um modelo de explicação sobre um determinado problema social que tem de ser resolvido. É preciso entender e desmistificar a questão a nível local”, concluiu.

A Polícia da República de Moçambique (PRM) anunciou na quinta-feira que vai perseguir os alegados “desinformadores” de casos como o ocorrido em Gilé e que vai reprimir com violência os ataques a autoridades e instituições públicas.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.