Um dia depois de classificar Ana Gomes de "candidata cigana", o que mereceu protestos de associações representativas daquela comunidade, André Ventura veio a terreiro comparar Marisa Matias a Marinho e Pinto e a madre Teresa de Calcutá.

"Ninguém acredita nisto: se for possível defini-la esta é a candidatura Marijuana, pois tem sido esta a grande especialidade do Bloco nos últimos anos. Marisa não fugirá a isto. E os portugueses já não vão na conversa", escreveu André Ventura numa declaração escrita enviada à agência Lusa.

E o pré-candidato prossegue nas comparações chamando a Marisa Matias "uma espécie de Marinho e Pinto de extrema-esquerda" que "é contra os privilégios dos políticos mas sempre foi contra a redução dos seus salários, e ainda aufere o de deputada europeia".

"Só pode ser piada", acrescentou.

"Já tínhamos a candidata dos subsidiodependentes, e agora temos a protetora dos perseguidos e dos coitadinhos. Uma espécie de Madre Teresa de Calcutá comunista", concluiu.

O líder e deputado único do partido de extrema-direita Chega foi o primeiro a apresentar publicamente a sua intenção de concorrer ao mais alto cargo da nação, em 29 de fevereiro, em Portalegre. Depois surgiram mais sete pré-candidatos a Belém.

André Ventura, que foi reeleito há cerca de duas semanas presidente da Direção Nacional do Chega, como candidato único, com 99,1% dos votos, anunciou que vai começar “uma nova fase” do partido, o qual vaticina ir-se tornar a terceira força política portuguesa nas próximas eleições legislativas [2023, se a atual legislatura for cumprida].

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.