Em declarações à margem da reunião do executivo desta manhã, o social-democrata Ricardo Rio disse que a atual proposta de descentralização era aceitável como "primeiro passo", criticando quem a defende como "uma grande conquista".

O autarca defendeu que "não é legítimo" pensar a descentralização, da qual assumiu ser adepto, como "um bom negócio para o Estado central" e que "nos atuais moldes" a Câmara Municipal de Braga irá "rejeitar boa parte" das competências que o Governo pretende transferir para a autarquia.

"O que nós gostaríamos era de ter outro poder de decisão sobre aquilo que são as políticas da saúde, da educação, e outras nos nossos territórios, esses aspetos não foram incorporados e alguns aspetos são iniciativas de uma descentralização muito minimalista e pouco ambiciosos", criticou Ricardo Rio.

Para o autarca de Braga, o atual modelo é "um presente envenenado": "Quando se olha para os encargos que algumas destas tarefas têm e aquilo que seriam os encargos aparentemente preparados para serem transferidos, naturalmente iam exigir algum financiamento por parte das câmaras municipais, o que me parece é que não é a nossa obrigação financiar o Estado ou de nos substituirmos ao Estado, embora, infelizmente, em muitas ocasiões tem acontecido", referiu.

"Não me parece minimamente legítimo é que se pense que a descentralização tem que ser um bom negócio para o Estado central. Tem que ser [um bom negócio] para o setor público no seu todo, portanto, as câmaras municipais têm que gerar poupanças para minimizar os custos de prestação de determinados serviços à população, não têm que ser elas a suportarem encargos para reduzirem os encargos que estão hoje a cargo do Estado central", desenvolveu.

Ricardo Rio apontou como uma das "principais preocupações" que o atual diploma levanta a relação entre câmara municipal e juntas de freguesia.

"De acordo coma leitura dos nossos serviços, as câmaras municipais ficam obrigadas, sem qualquer tipo de opção, a transferir para as juntas responsabilidades em áreas que, na minha ótima, são claramente municipais", sublinhou.

Como exemplo, o autarca apontou a "fiscalização de ocupação do espaço público, a gestão de mercados e feiras, a gestão de eventos em espaço público, toda uma série de questões que contendem com questões de natureza administrativas" que, referiu, "se forem transferidas para as juntas vai causar-lhes um sério problema".

Isto porque, apontou, "boa parte não tem os meios necessários para poderem estruturar a respostas a estes serviços e, pior do que isso é serem áreas que carecem de regulamentação central do município e iriam ser criadas políticas que iam diferir de freguesia para freguesia".

Quanto à posição do município de Braga, o autarca afirmou que "obviamente que naquilo que é conhecido", a Câmara Municipal de Braga, no modelo atual e nos valores inicialmente apresentados, “rejeitará boa parte dessas competências".

Rio considerou assim que o modelo proposto é aceitável "enquanto primeiro passo", mas que devia ir mais além: "A verdade é que quando vemos alguns dos responsáveis, dos vários quadrantes políticos, darem este modelo e estas propostas como uma grande conquista, fica muito aquém daquilo que seria desejável", criticou.

Sobre o acordo que entre PSD e PS terá estado na base daquela lei-quadro, o social-democrata considerou que "não garante algum dos aspetos importantes que era a descentralização de competências ser bastante mais ambiciosa, de poder incorporar de dimensões que tem a ver com o poder de decisão".

"Em bom rigor, o presidente da Câmara do Porto tem alguma razão, as expressões podem não ser as mais felizes, mas estamos a falar de responsabilidades de carácter muito administrativos. As câmaras receberem funcionários, pagarem aos funcionários, fazerem a gestão desses funcionários são responsabilidades muito limitadas", defendeu.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.