“Perante novos acontecimentos, novos comportamentos temos que alargar o âmbito das competências internas nos partidos”, afirmou à Lusa Fernando Negrão, num comentário ao caso da alegada votação ‘fantasma’ da deputada Mercês Borges por Feliciano Barreiras Duarte, que não estava no plenário.

Se externamente, a sanção dos deputados deve ser política, dada, em última análise, pelos eleitores, já internamente, nos partidos, é preciso “ir um bocadinho mais longe do que as questões meramente políticas”, acrescentou.

O conselho de jurisdição nacional do PSD, defendeu, deve fazer uma reflexão sobre o assunto.

“Seria um bom veículo para alargarmos o campo de censura de alguns comportamentos”, afirmou ainda.

Negrão admite "comportamento menos adequado" da deputada do PSD Mercês Borges
Negrão admite "comportamento menos adequado" da deputada do PSD Mercês Borges
Ver artigo

Na quarta-feira, o jornal ‘online’ Observador noticiou que terá sido Marcês Borges a registar Feliciano Barreiras Duarte na votação na generalidade do Orçamento do Estado para 2019, em 30 de outubro, ocasião em que o deputado esteve no plenário de manhã, mas ausentou-se depois por razões familiares. No entanto, o seu nome consta do registo dos deputados que votaram contra o orçamento.

Contactada pelo Observador, Mercês Borges admitiu que possa ter “carregado no botão” pelo companheiro de bancada no momento da verificação de quórum, acrescentando já o ter feito por outros deputados e tratar-se de uma prática que é feita em outras bancadas.

Hoje de manhã, a bancada do PSD informou, em comunicado, que Maria das Mercês Borges pediu a demissão de todos os cargos em que representava o grupo parlamentar.

Mercês Borges deixará, assim, de ser presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade e coordenadora da bancada do PSD na Comissão do Trabalho, presidida por Feliciano Barreiras Duarte, mas continuará como deputada.

Questionado, mais tarde, pelos jornalistas, Fernando Negrão afirmou que cabia à deputada decidir se devia ou não demitir-se do cargo de deputado.

Na quarta-feira, Negrão insistiu que "cada deputado tem que assumir, de uma vez por todas, que tem responsabilidades perante os eleitores”.

Questionado sobre o que fará o PSD em relação os casos de “irregularidades” das presenças em plenário, insistiu, por duas vezes, que enquanto líder parlamentar só pode usar a sensibilização.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.