“A escassez de mel" com denominação de origem protegida (DOP) levou a organização da Feira do Mel a admitir novamente produtores que disponham de algum mel da região demarcada, “ainda que não certificado”, disse hoje à agência Lusa o presidente da Cooperativa Lousãmel, António Carvalho.

Excecionalmente, o mel da Serra da Lousã sem o selo DOP poderá ser comercializado no espaço do evento, que decorre geralmente no Parque Municipal de Exposições, “desde que em frascos normalizados e devidamente rotulados”, esclareceu.

A Feira do Mel e da Castanha da Lousã, no distrito de Coimbra, que tem este ano a sua 29.ª edição nos dias 16, 17 e 18 de novembro, é uma iniciativa da Câmara local, em parceria com a Lousãmel, que nos últimos anos limitou as inscrições à venda do mel de urzes com DOP Serra da Lousã.

“Este foi um ano muito mau, com apenas 10% da produção de 2017. Temos associados com 90% de perda, ou até mais nalguns casos”, declarou António Carvalho, que está nesta atividade há cerca de 40 anos.

Em cada cresta, realizada normalmente entre julho e agosto, o presidente da Lousãmel costumava colher em média 1.500 quilos de mel nos seus apiários, mas este ano conseguiu apenas 220 quilos.

Devido à irregularidade climatérica deste ano e à devastação do coberto vegetal autóctone pelos fogos de 2017, “a produção é insignificante e será para os apicultores irem à feira, pouco mais”, lamentou.

O processo de certificação “tem custos muito grandes” e os produtores com pequenas quantidades de mel optam por não formalizar o pedido.

Só que a Feira do Mel e da Castanha “é um marco na região”, há quase três décadas, para os produtores do mel DOP Serra da Lousã.

“Tenho pedido aos apicultores para, dentro do possível, certificarem na mesma o seu mel”, a fim de participarem na feira regional, disse António Carvalho.

A Câmara da Lousã deverá “ajudar os associados do concelho” nas despesas de certificação.

Desde 2015, a fim de preservar a qualidade e incentivar a certificação, a autarquia liderada por Luís Antunes tem concedido à Lousãmel um subsídio anual de 1.000 euros, que a instituição depois distribui pelos sócios do concelho.

Num esforço da organização para enfrentar a baixa produção de mel na região, a Feira da Lousã, em novembro, será igualmente aberta a mel nacional “de outras DOP”, adiantou o presidente da Lousãmel.

Com mais de 450 associados, a cooperativa, em representação do Estado, assume a gestão da DOP Serra da Lousã, que abrange 10 municípios: Arganil, Castanheira de Pera, Figueiró dos Vinhos, Góis, Lousã, Miranda do Corvo, Pampilhosa da Serra, Pedrógão Grande, Penela e Vila Nova de Poiares, nos distritos de Coimbra e Leiria.

No ano passado, os incêndios na região queimaram milhares de colmeias e destruíram extensas áreas florestais onde há séculos predominavam os urzais, cujas flores estão na base das características únicas do mel DOP.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.