Paulo Olavo e Cunha, presidente da mesa da Assembleia Geral da Raríssimas, explicou que hoje “será concluída a convocatória”, na qual, “além da ordem de trabalhos, serão estabelecidas as regras de funcionamento e participação na assembleia geral”.

A presidente da associação de solidariedade social, Paula Brito e Costa, demitiu-se esta semana na sequência de uma reportagem na qual se denunciam alegadas irregularidades, nomeadamente uso de dinheiros da instituição em proveito próprio.

A assembleia geral destina-se a eleger os titulares dos órgãos sociais em falta após a saída da presidente.

“Estão reunidas as condições para proceder à convocação da assembleia geral (extraordinária) para eleger os titulares dos órgãos sociais em falta, a realizar no próximo dia 3 de janeiro de 2018”, refere uma nota do presidente da mesa da assembleia geral da Raríssimas divulgada na quinta-feira.

A Raríssimas - Associação Nacional de Doenças Mentais e Raras está envolta em polémica após uma reportagem da TVI na qual foram mostrados documentos que colocam em causa a gestão de Paula Brito e Costa, que alegadamente terá usado dinheiro do Estado e de donativos para vários gastos pessoais.

O presidente da mesa da assembleia-geral da Raríssimas tomou conhecimento na quinta-feira da demissão formal de Paula Brito da Costa do cargo de presidente da associação, tendo a renúncia chegado por carta digitalizada.

A Raríssimas foi fundada em 2002 para apoiar pessoas com doenças raras, que se estima afetarem cerca de 800 mil portugueses.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.