“A magnitude das explosões foi medida respetivamente em 2,3 e 2,1 na escala Richter, o que provavelmente equivale a uma carga explosiva de centenas de quilogramas”, denunciam os dois países escandinavos numa comunicação ao Conselho de Segurança da ONU, que hoje se reúne em Nova Iorque para discutir o tema, a pedido da Rússia.

“Todas as informações disponíveis indicam que as explosões são consequência de um ato deliberado”, pode ler-se no documento da Suécia e da Dinamarca enviado ao secretário-geral da ONU, António Guterres, sem apontar um possível responsável, quando Washington e Moscovo negam a responsabilidade pelas explosões.

As fugas foram descobertas em águas internacionais a leste da ilha dinamarquesa de Bornholm, na segunda-feira, duas das quais estão localizados nas zonas económicas exclusivas da Suécia e outras duas da Dinamarca.

De acordo com o documento enviado à ONU, as duas fugas no gasoduto Nord Stream devem ficar controladas no domingo.

O consórcio Nord Stream AG – que opera o gasoduto – indicou em comunicado, na noite de quinta-feira, que vai “começar a avaliar os danos causados ao gasoduto, logo que receber as autorizações oficiais necessárias”, ou seja, “quando a pressão no gasoduto ficar estabilizado e a fuga de gás tiver terminado”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.