O antigo líder do Partido Conservador, um conhecido ativista contra o desrespeito dos direitos humanos da minoria uigure na China, revelou durante uma sessão que o presidente da Câmara dos Comuns escreveu aos deputados a avisá-los do alerta do MI5.

“Soube que o Presidente da Câmara foi contactado pelo MI5 e está agora a alertar os deputados de que tem havido um agente do Governo chinês ativo no Parlamento, a trabalhar com um deputado, obviamente com o intuito de subverter os processos”, alertou o deputado conservador Iain Duncan Smith numa sessão parlamentar.

O deputado conservador considerou que “este é um assunto que causa grande preocupação”, manifestando receio que os seus contactos com opositores do regime comunista em Hong Kong sejam acedidos, apelando uma reforma da credenciação dos visitantes e questionando porque não está previsto que a pessoa em causa seja deportada.

Segundo a BBC, o alegado agente chinês é Christine Ching Kui Lee, que deu donativos financeiros a deputados do Partido Trabalhista e dos Liberais Democratas, enquanto trabalhava para o Departamento de Trabalho da Frente Unida do Partido Comunista Chinês (PCC).

A ministra do Interior, Priti Patel, disse que é “profundamente preocupante” que alguém “que conscientemente se tenha envolvido em atividades de interferência política em nome do Partido Comunista Chinês tenha como alvo parlamentares”, mas disse que o Reino Unido tem medidas em vigor “para identificar interferências estrangeiras”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.