O resgate do menino que caiu num poço em Marrocos, na terça-feira, teve um atraso de cerca de três horas devido a uma rocha que dificultou a perfuração do túnel com se espera salvar Rayan, adiantou hoje a Efe.
Segundo a agência de notícias espanhola, que cita o chefe da equipa de monitorização e vigilância do resgate, Abdelhadi Tamrani, no início desta manhã ainda faltavam cerca de três metros para chegar à cavidade onde Rayan se encontra.

Para salvar Rayan, uma equipa multidisciplinar cavou primeiro verticalmente junto ao poço um buraco até cerca de 32 metros de profundidade e está agora a cavar horizontalmente até ao local onde o menino se encontra.

Entretanto, um helicóptero da Royal Gendarmerie foi enviado para o local para transportar a criança depois de a retirarem do poço, se necessário, bem como uma ambulância equipada com equipamento de reanimação.

"Preparámos uma ambulância bem equipada com pessoal médico incluindo um ressuscitador e há também um helicóptero da guarda real no local para resgatar o pequeno Rayan", cita a Efe Abdelhadi Tamrani.

O rapaz, cuja situação está a atrair o interesse nacional e internacional, caiu acidentalmente na terça-feira num poço seco, de 32 metros de profundidade e estreito e, portanto, de difícil acesso, cavado perto da residência da família na vila de Ighrane, perto da localidade de Bab Berred, na província de Chefchaouen.

Milhares de pessoas viajaram até ao local, alguns de longe, em sinal de solidariedade e têm estado acampados naquela zona, apesar do frio naquela região, noticiou a agência France Presse (AFP).

Apesar das poucas informações divulgadas sobre o progresso dos socorristas, sabe-se que estes não estão longo do objetivo.

"Estamos quase lá. Há três dias estamos a trabalhar duro. A fadiga já se sente, mas todas as equipas de resgate estão a resistir apesar dos imprevistos", revelou um supervisor das operações, Abdesalam Makoudi.

Os socorristas transportaram oxigénio e água para o fundo do poço, o que sugere que Rayan ainda está vivo, de acordo com os meios de comunicação locais.

Segundo as autoridades locais, a operação de resgate entrou numa fase decisiva, com a início da perfuração de um túnel horizontal de três metros para chegar à criança.

Esta fase de resgate é delicada devido ao risco de deslizamentos de terra por causa da natureza do solo, com algumas camadas arenosas e outras rochosas.

As autoridades locais revelaram ainda à AFP que uma equipa médica está pronta para resgatar a criança do túnel horizontal, assim que esta sair.

Um helicóptero médico está também preparado para ser acionado.

A mãe da criança disse à imprensa local que o filho “estava a brincar perto” da casa e que “desapareceu [na terça-feira] por volta das 14:00”, mobilizando a família “para o procurar” até que repararam que ele tinha caído no poço.

“Ainda tenho esperança de que tragam o meu filho vivo”, declarou.

A tragédia tem gerado muita solidariedade nas redes sociais: esta manhã as transmissões ao vivo de vários meios de comunicação marroquinos continuaram a atrair centenas de milhares de utilizadores na Internet.

Além disso, muitos habitantes locais juntam-se no local do acidente, o que por vezes dificulta o trabalho das equipas de salvamento.

Este acidente ecoa uma tragédia que ocorreu no início de 2019 em Espanha, na Andaluzia, quando uma criança de dois anos morreu depois de cair num poço abandonado com mais de 100 metros de profundidade.

(Artigo atualizado às 10:08)

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.