Os aliados dos Estados Unidos na NATO devem decidir na próxima semana se os seus 10.000 militares se retiram com as forças norte-americanas ou se continuam envolvidos na missão da organização, ‘Resolute Support’, numa altura em que a violência por parte dos talibãs continua a fazer-se sentir no país.

“A nossa mensagem, tendo em vista a reunião de ministros da NATO, é que o prolongamento da ocupação e da guerra não é nem do vosso interesse, nem do vosso povo ou do nosso”, declararam os talibãs em comunicado.

“Quem procurar o prolongamento das guerras e da ocupação será responsabilizado, como tem acontecido nas últimas duas décadas”, advertiu o grupo.

O ex-presidente norte-americano Donald Trump concluiu um acordo com os talibãs em fevereiro de 2020, prevendo a retirada total das forças norte-americanas até maio, e em contrapartida os rebeldes comprometeram-se a não deixar que grupos terroristas possam agir a partir das zonas que controla e a deixar de atacar as tropas dos Estados Unidos.

Trump reduziu o número de militares norte-americanos no Afeganistão para 2.500 no início de 2021.

A nova administração liderada por Joe Biden já mostrou, no entanto, vontade de rever o acordo com os talibãs, nomeadamente para avaliar se os rebeldes estão a respeitar os seus compromissos.

A Alemanha quer prolongar a sua missão militar no Afeganistão, anunciou hoje o chefe da diplomacia alemã.

No início deste mês, o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, pediu aos talibãs para respeitarem os seus compromissos e, em particular para reduzirem a violência e cortarem as ligações a grupos terroristas internacionais.

“Se decidirmos partir, corremos o risco de colocar em perigo o processo de paz e a perder o que conseguimos na luta contra o terrorismo internacional nos últimos anos. Há também o risco de o Afeganistão se tornar de novo um refúgio para os terroristas internacionais”, afirmou.

“Se decidirmos ficar, arriscamos continuar a participar numa operação militar difícil no Afeganistão e a ver aumentar a violência, incluindo contra tropas da NATO”, acrescentou Stoltenberg.

“Qualquer que seja a decisão, deve ser conjunta”, concluiu.

Hoje, os talibãs reiteraram o seu “compromisso sério” no que foi acordado com Washington, assegurando que “diminuiu significativamente o nível de operações”, apesar de no terreno se constatar que continuam a sua ofensiva com ataques frequentes às forças afegãs.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.