O arguido, de 31 anos, e a vítima, eram ambos instrutores de surf, conheciam-se há oito anos, mas encontravam-se desavindos, tendo já existido agressões entre ambos, refere a acusação do Ministério Público (MP), a que a Lusa teve acesso.

Em 10 de julho de 2018, ambos combinaram por telefone encontrar-se no parque de estacionamento da praia de Paimogo ao fim da tarde desse dia.

Chegados ao local, o arguido saiu do automóvel empunhando uma faca e dirigiu-se ao veículo da vítima, que se encontrava com um amigo.

Depois, trocaram palavras, agrediram-se mutuamente e, a dada altura, o arguido esfaqueou o outro no peito, descreve a acusação.

A vítima fugiu, mas, enquanto era perseguida pelo homicida, acabou por cair, foi colocada no banco da viatura e transportada à urgência de Peniche do Centro Hospitalar do Oeste por aquele.

Depois de manobras de reanimação no hospital, faleceu.

A decisão instrutória deste caso foi comunicada esta tarde no tribunal de Loures, no distrito de Lisboa, e determinou uma alteração da qualificação jurídica do crime, de homicídio simples para qualificado, segundo disse à agência Lusa o advogado do arguido, Jorge Martins.

“Posso compreender a decisão do tribunal, mas não fico satisfeito, pois acredito que existiriam indícios suficientes para que fosse considerado um homicídio simples”, considerou.

Jorge Martins disse ainda que vai consultar e analisar o despacho de pronúncia antes de decidir se recorre da decisão.

O arguido esteve em prisão preventiva até 20 de novembro e desde essa data encontra-se agora em prisão domiciliária a aguardar julgamento.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.