Segundo um comunicado da Polícia Judiciária (PJ) de Setúbal, as operações de busca foram realizadas no âmbito de um inquérito dirigido pelo DIAP (Departamento de Investigação e Ação Penal) da Comarca de Setúbal sobre a eventual prática de crimes de “utilização de dados de forma incompatível com a finalidade da recolha, acesso indevido e desvio de dados, previstos na Lei de Proteção de Dados Pessoais”.

“No decurso das buscas foi apreendida para análise diversa documentação e foram efetuadas pesquisas informáticas sobre dados relacionados com os crimes em investigação”, é acrescentado no comunicado.

Na nota é ainda referido que o inquérito está em segredo de justiça.

De acordo com uma nota divulgada na página da Internet da Procuradoria da República da Comarca de Setúbal, o inquérito foi instaurado no dia 2 de maio.

Durante a manhã, a Câmara Municipal de Setúbal já tinha revelado a realização de buscas nas instalações da Linha Municipal de Apoio a Refugiados (LIMAR), no Mercado do Livramento, sem indicar, contudo, que as operações se estenderam ao próprio município, bem como à Edinstvo.

Pavlo Sadokha: "O Patriarca Kirill é mais agente do KGB do que sacerdote espiritual"
Pavlo Sadokha: "O Patriarca Kirill é mais agente do KGB do que sacerdote espiritual"
Ver artigo

Fonte da autarquia tinha referido à Lusa que o câmara estava a prestar todo o apoio necessário às diligências judiciais, que surgiram na sequência da polémica em torno da receção do município sadino a refugiados ucranianos por dois cidadãos russos, alegadamente, com ligações ao Kremlin.

De acordo com o jornal Expresso, o cidadão russo Igor Khashin, membro da Edinstvo e do Conselho de Coordenação dos Compatriotas Russos, e a mulher, Yulia Khashina, também da associação e funcionária do município, terão fotocopiado documentos e questionado os refugiados sobre o paradeiro de familiares na Ucrânia.

Na terça-feira, os principais partidos da oposição no município, PS e PSD, prometeram levar hoje à Assembleia Municipal de Setúbal duas moções de censura ao executivo camarário.

A moção de censura do PSD pede a demissão do presidente da Câmara de Setúbal, André Martins (CDU), alegando que o autarca sabia das ligações dos elementos da Edinstvo ao governo russo e nunca o assumiu.

O PS também anunciou a intenção de apresentar uma moção de censura à gestão autárquica da CDU, não apenas pela receção aos refugiados, e de propor uma Comissão de Fiscalização da Conduta da autarquia sadina no acolhimento de refugiados ucranianos.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.