O contrato de Durão Barroso como professor convidado da Universidade de Genebra e do Instituto de Altos Estudos Internacionais e do Desenvolvimento não vai ser renovado. O contrato chega ao seu termo com o fim do ano e não há intenção de prolongar o mesmo por mais tempo, anunciou o vice-reitor da instituição, Jacques de Werra, ao jornal suíço Les Temps.

Este momento marca o fim da ligação de Barroso à prestigiada Universidade Suíça, onde o antigo primeiro-ministro de Portugal estudou.

Segundo o Le Temps a justificação para a não renovação do contrato prende-se exclusivamente ao facto de Durão Barroso se ter tornado presidente não-executivo da Goldman Sachs.

A Goldman Sachs é, segundo os analistas, uma das responsáveis pela crise financeira que atingiu a Europa nos últimos anos. Esta instituição foi acusada de ter ajudado a Grécia a maquilhar as contas para tentar evitar um resgate financeiro ao país.

“Cumpriu plenamente o seu mandato”, foi assim que o vice-reitor se referiu a Durão Barroso. Questionado sobre se o contrato não seria renovado pela ligação de Barroso à Goldman Sachs, o vice-reitor recusou-se a responder e disse que essa era uma “questão abstracta”.

José Manuel Durão Barroso foi nomeado presidente não-executivo do Goldmann Sachs International em Julho deste ano.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.