Segundo o ministério, as vítimas foram mortas em ataques israelitas ocorridos desde sexta-feira.

As autoridades israelitas contradizem este balanço e garantem que várias crianças palestinianas foram mortas hoje à tarde em Jabalia (norte) por um disparo falhado de um ‘rocket’ da Jihad Islâmica destinado a atingir o território de Israel, e não pelo exército israelita.

“As forças de segurança israelitas não atacaram Jabalia nas últimas horas”, indicou o gabinete do primeiro-ministro israelita, Yair Lapid, num comunicado.

“Ficou provado de forma irrefutável que o incidente é resultado de um disparo falhado de um ‘rocket’ lançado pela Jihad Islâmica”, afirmou esta fonte, que diz “dispor de vídeos”.

Desde o início da sua operação, na sexta-feira, Israel garante que só está a atacar locais pertencentes à Jihad Islâmica, tendo até agora matado 15 dos combatentes deste grupo extremista.

Como retaliação, o grupo palestiniano dispara ‘rockets’ para solo israelita, a maioria dos quais é intercetada pela defesa antimíssil israelita.

Duas pessoas sofreram ferimentos ligeiros com estilhaços de obuses, segundo os serviços de emergência.

Trata-se do pior confronto entre o Estado hebreu e organizações armadas da Faixa de Gaza desde a guerra de maio de 2021, que fez em 11 dias 260 mortos do lado palestiniano, entre os quais combatentes, e 14 mortos em Israel, incluindo um soldado, de acordo com as autoridades locais.

Israel impõe desde 2007 um embargo à Faixa de Gaza, território com 2,3 milhões de habitantes governado pelos radicais islâmicos do Hamas.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.