“Saúdo a aprovação pela Assembleia Geral das Nações Unidas, por uma maioria de votos sem precedentes, da resolução instando fortemente a Rússia a pôr fim imediato ao traiçoeiro ataque à Ucrânia”, escreveu Zelensky na sua conta da rede social Twitter.

“Estou grato a todas as pessoas e todos os Estados que votaram a favor. Escolheram o lado certo da história”, acrescentou.

O chefe de Estado ucraniano referia-se à resolução hoje aprovada por 141 dos 193 Estados-membros da organização que “condena a agressão russa à Ucrânia” e “exige que Moscovo ponha fim à ofensiva e retire imediata e incondicionalmente as suas tropas” e também “condena a decisão da Rússia de aumentar o alerta das suas forças nucleares”.

Intitulada “Agressão contra a Ucrânia”, a resolução apela ainda ao acesso sem entraves à ajuda humanitária e “lamenta o envolvimento da Bielorrússia” no ataque à Ucrânia.

“Os resultados devastadores para o agressor da votação na ONU mostram de forma convincente que uma aliança global foi formada e está a funcionar. O mundo está connosco. A verdade está do nosso lado. A vitória será nossa!”, escreveu ainda Volodymyr Zelensky no Twitter.

A Assembleia-Geral da ONU foi convocada para esta sessão de emergência, a primeira desde 1997, depois de não ter sido possível aprovar uma resolução condenando a invasão russa da Ucrânia no Conselho de Segurança, onde a Rússia, como membro permanente, tem poder de veto.

A resolução hoje aprovada pela Assembleia-Geral obteve apenas cinco votos contra (Rússia, Bielorrússia, Síria, Coreia do Norte e Eritreia) e 35 abstenções, incluindo as de Angola e Moçambique.

Cabo Verde, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste votaram a favor, tal como Portugal e o Brasil, e os votos da Guiné-Bissau e da Guiné Equatorial não ficaram registados.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.