Escreve o semanário Expresso que a publicação diária vai avançar para lay-off de cerca de 50 profissionais, nos quais se incluem jornalistas, gráficos e administrativos.

Segundo Vítor Serpa, o jornal registou uma quebra de vendas na ordem dos 40%.

Além de grande parte dos locais de vendas de jornais estarem encerrados, regista-se uma quebra da publicidade e, soma-se a isto o facto de o mundo desportivo estar parado devido à pandemia de covid-19.

O responsável pela publicação caracterizou a atual situação da imprensa desportiva como uma "calamidade pública".

O lay-off, que foi “a solução encontrada pela administração como a menos danosa, tendo em conta os efeitos devastadores da atual situação”, vai durar pelo menos um mês.

Em declarações ao Público, Vítor Serpa disse que “a principal preocupação é encontrar procedimentos que assegurem tanto quanto possível o essencial, que é a manutenção dos postos de trabalho”.

O responsável pela publicação recorda ainda que “A Bola sempre se orgulhou de ser o único jornal desportivo que nunca fez um despedimento colectivo”.

Também o Jornal Económico anunciou medidas face à crise. O jornal adiantou esta semana que vai "adoptar a semana de trabalho de quatro dias, por via de uma redução do horário de trabalho".

O objetivo é "diminuir os custos operacionais, numa altura em que o investimento publicitário cai a pique devido aos efeitos económicos da pandemia de covid-19".

"Os vários departamentos do Jornal Económico continuarão a funcionar normalmente, através de um sistema de rotação que permite não só manter a atividade durante toda a semana como também assegurar a qualidade editorial do JE", adianta a publicação.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.