Depois do ‘bis’ à Hungria (3-0), na estreia, e do tento marcado à Alemanha (2-4), o ‘capitão’ lusa bisou novamente na Puskás Arena, em Budapeste, aos 31 e aos 59 minutos, de penálti, para passar a contar 109 golos por Portugal, em 178 internacionalizações ‘AA’.

Assim, o avançado português é também o melhor marcador deste Euro2020 até ao momento, com cinco golos face aos três de Patrik Schick (República Checa), Emil Forsberg (Suécia), Romelu Lukaku (Bélgica), Gigi Wijnaldum (Países Baixos) e Robert Lewandowski (Polónia).

Ronaldo destacou-se ainda mais na liderança dos marcadores da história dos eEuropeus, com 14 golos, contra nove do francês Michel Platini. Com os sete golos que já marcou em Mundiais, é também o primeiro jogador a chegar aos 20 golos nas duas competições.

Na época 2020/21, Ronaldo passou a somar 46 golos, em 58 jogos – 36 pela Juventus, em 44 jogos, e nove pela seleção lusa, em 14 –, para um total de 789 tentos, nos 1.092 embates oficiais que cumpriu desde que se tornou profissional em 2002/03.

Os parabéns de Ali Daei

Nas redes sociais, o iraniano aproveitou a ocasião para comentar o feito do jogador português.

"Parabéns ao Cristiano Ronaldo que está agora a um golo de bater o recorde internacional de melhor marcador [de seleções] masculino. Sinto-me honrado por este feito notável pertencer a Ronaldo — um grande campeão de futebol e humanista atencioso que inspira e impacta vidas em todo o mundo", escreveu.

Ronaldo acaba com 'seca' de golos face à França ao sétimo jogo

À quinta tentativa, Cristiano Ronaldo acabou hoje com a ‘seca’ de golos face à França, ao sétimo jogo.

Cristiano Ronaldo defrontou pela primeira vez a França num dos jogos mais importantes da história da seleção das ‘quinas’, que, em 05 de julho de 2006, defrontou os gauleses nas meias-finais do campeonato do Mundo, no Allianz Arena, em Munique.

Na segunda – e até agora última – presença nessa fase da principal competição de seleções, 40 anos depois dos ‘magriços’, Portugal perdeu por 1-0 com os gauleses, culpa de um penálti de Zidane, após falta escusada de Ricardo Carvalho.

O então jogador do Manchester United, de 21 anos, jogou os 90 minutos, mas não conseguiu fazer a diferença, nem ele nem Figo, Deco, Maniche, Pauleta, Simão ou Hélder Postiga.

Depois de uma estreia de ‘fogo’, os dois encontros seguintes com os gauleses aconteceram em particulares, com Ronaldo a ser titular, mas a sair antes do fim.

Em 11 de outubro de 2014, em Saint-Denis, foi substituído por João Mário, aos 76 minutos, com Portugal a perder por 2-0 – golos de Karim Benzema e Paul Pogba -, num jogo em que Ricardo Quaresma reduzir sobre o fim, num penálti que seria para Ronaldo.

No ano seguinte, em 04 de setembro, em Alvalade, saiu ainda mais cedo, aos 68 minutos, dando o lugar a Ricardo Quaresma, pelo que assistiu de fora ao tento da vitória gaulesa, por 1-0, selado por Mathieu Valbuena, aos 85.

O quarto jogo de Ronaldo com a França aconteceu na final do Euro2016 e se a histórica acabou bem para o ‘capitão’ luso, com Éder a ‘oferecer-lhe’ o ‘caneco’, teve, pelo contrário, um início dramático, com uma lesão, provocada por uma entrada ‘feia’ de Dimitri Payet, que o obrigou a sair aos 25 minutos.

No começo da presente temporada, já em plena ‘era’ covid-19, Cristiano Ronaldo esteve a ‘full time’ nos dois jogos com a França para o Grupo 3 da Liga A da Liga dos Nações, mas foram mais 180 minutos em ‘vão’, sem qualquer golo.

Portugal empatou a zero no regresso a Saint-Denis, em 11 de outubro, e perdeu por 1-0 na Luz, em 14 de novembro, culpa de um tento de N’Golo Kanté.

Desta vez, ao sétimo jogo e ao 470.º minuto, Cristiano Ronaldo faturou, finalmente, aos ‘blues’, reduzindo para oito o número de seleções que defrontou mais do que uma vez e não conseguiu marcar.

As ‘sobreviventes’ de Ronaldo são Albânia (quatro jogos), Brasil e Inglaterra (três) e Cabo Verde, Itália, Liechtenstein, República da Irlanda e Turquia (dois), numa lista que também deixou de incluir a Alemanha desde sábado.

Ronaldo, de 36 anos, também nunca faturou a África do Sul, Angola, Argélia, Áustria, Bulgária, Canadá, Chile, China, Costa do Marfim, Estados Unidos, Geórgia, Macedónia do Norte, México, Moçambique, Noruega e Uruguai, mas só tentou uma vez.

No total, frente a um total de 68 seleções, o atual jogador da Juventus não marcou a 24 seleções e faturou a 44, com destaque para os sete a Lituânia e Suécia e os seis a Andorra, Luxemburgo e Hungria, face à qual ‘bisou’ na estreia no Euro2020.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.