“Atendendo às recentes movimentações que surgem a todo o momento e a qualquer momento, posso anunciar que a Mesa da Assembleia-Geral se demite em bloco, e também já recebi comunicação do presidente do Conselho Fiscal, de que se iriam demitir, se não todos, alguns que me iriam enviar os pedidos de demissão”, afirmou Marta Soares.

A demissão da Mesa de Assembleia-Geral (AG) tem a ver, segundo Marta Soares, “com as previsíveis consequências que possam advir desta instabilidade que está a marcar profundamente a instituição Sporting Clube de Portugal”.

“Temos todos de entender que somos muito pequenos perante a grandeza desta Instituição, do seu valor e dos seus princípios, que têm de ser princípios de honra e de dignidade, e que alguns teimam em desrespeitar”, atirou Jaime Marta Soares.

Horas antes de anunciar a demissão da Mesa da AG do Sporting, Marta Soares tinha solicitado ao Conselho Fiscal “a instalação de um processo para destituição, por justa causa,”, da direção liderada por Bruno de Carvalho.

“Essa situação já não se vai concretizar, atendendo a que o próprio Conselho Fiscal também entende demitir-se”, explicou Marta Soares.

O presidente demissionário da Mesa da AG acrescenta que, perante estas demissões e o pedido de demissão de quatro ou cinco elementos da equipa diretiva liderada pelo presidente Bruno de Carvalho, não estão, neste momento, “garantidas nenhumas condições de continuidade dos Órgãos Sociais do Sporting Clube de Portugal”.

Além dos elementos da Mesa da AG, o presidente e vários membros do Conselho Fiscal e Disciplinar (CFD) do Sporting também apresentaram hoje a demissão e apelaram ao presidente do clube lisboeta, Bruno de Carvalho, e à restante direção que renunciem aos cargos.

“Tendo em conta os superiores interesses do Sporting Clube de Portugal, que são e sempre foram a nossa maior preocupação, apelamos a que o presidente e os restantes membros do Conselho Diretivo apresentem a sua renúncia ao cargo de forma a permitir a marcação imediata de eleições”, indicam os cinco subscritores do comunicado.

Além do presidente do CFD, Nuno Silvério Marques, e do vice-presidente, Vicente Caldeira Pires, também os membros Vítor Bizarro do Vale, Miguel Almeida Fernandes e Nuno Miguel Santos apresentaram ao presidente da Mesa da Assembleia Geral, Jaime Marta Soares, os pedidos de demissão.

 Marta Soares apela à demissão de Bruno de Carvalho

O presidente demissionário da Mesa da Assembleia Geral do Sporting, Jaime Marta Soares, apelou hoje à demissão do presidente do clube, Bruno de Carvalho.

"Apelo à direção, ao senhor presidente Bruno de Carvalho, que siga este nosso exemplo, que apresente a sua demissão, e do Conselho Diretivo, para que nós possamos, no cumprimento rigoroso e integral do estatuto, marcar uma Assembleia-Geral, ou seja, dar a palavra aos sócios, que são esses os principais sustentáculos e que são esses efetivamente aqueles que têm o direito de decidir o que é que querem para a vida do Sporting Clube de Portugal”, disse Jaime Marta Soares, em declarações à agência Lusa.

Indicando que o Conselho Fiscal também se iria demitir, Marta Soares considera “absolutamente insustentável” o momento do clube: "Tentámos tudo o que estava ao nosso alcance estatutariamente para fazer com que as coisas se desenvolvessem com credibilidade, com respeitabilidade, com sentido daquilo que é a instituição Sporting Clube de Portugal. Não o conseguimos”, lamentou o presidente demissionário da Mesa da Assembleia Geral (AG).

Marta Soares recordou que há cerca de um mês já tinha alertado Bruno de Carvalho de que os interesses do Sporting estavam acima de tudo e que estavam esgotadas as hipóteses de manutenção da atual presidência, sublinhando que chegou a hora de dizer basta.

“Desta vez não há mais qualquer hipótese de pôr acalmia no que quer que seja. Chega, basta. O Sporting tem de estar acima de todas e quaisquer ambições de poder, que têm de terminar imediatamente”, vincou Marta Soares, responsabilizando também alguns “pseudo-sportinguistas, de grande nomeada [sem no entanto mencionar nomes], que agora estão agora absolutamente calados”, por Bruno de Carvalho se ter mantido no cargo até hoje.

O presidente demissionário da Mesa da AG do Sporting revelou, ainda, que há quatro elementos da equipa diretiva do Bruno de Carvalho que manifestaram vontade em demitir-se.

“Gostaria de garantir que estes quatro de que estou a falar e da possibilidade de um quinto, já me tinham manifestado, há uma semana, a sua vontade de abandonarem a direção do Sporting Clube de Portugal. Só não o fizeram porque eu lhes pedi que se mantivessem calmos até ao próximo domingo. Foi por essa razão que eu ainda não aceitei a demissão deles”, explicou Marta Soares, que só revelará os nomes após receber por escrito os respetivos pedidos de demissão.

Contudo, perante as consequências que possam advir daqui, aliada à recente situação, “que piora e se está a degradar minuto a minuto, segundo a segundo”, o presidente demissionário salientou que não teve outra solução, que não a demissão em bloco da Mesa da AG.

“Que é como um chamamento de atenção, como uma mensagem ao presidente da direção que, entre aquilo que possam ser os seus interesses pessoais e os interesses do Sporting Clube de Portugal, ele seja capaz de optar pelos interesses do Sporting Clube de Portugal e, efetivamente, apresente a demissão”, reiterou Jaime Marta Soares.

Segundo o presidente demissionário da mesa da AG do Sporting, só assim é que será possível recuperar e preparar o futuro do clube, que vive “um momento escuro” da sua história.

“Para que a paz, a estabilidade, o sossego e o futuro do Sporting Clube de Portugal possa ser rapidamente garantido através de outras pessoas, com outros projetos, que sejam capazes de ultrapassar este momento tão difícil, tão complexo, eu diria, tão escuro, tão escuro da vida do Sporting Clube de Portugal”, frisou Marta Soares.

Na manhã de hoje, o membro suplente da Mesa da Assembleia-Geral do Sporting, Diogo Orvalho, apresentou a renúncia ao cargo, para o qual foi eleito na lista de Bruno de Carvalho, alegando falta de condições, disse fonte do clube. Foi esta a primeira demissão na estrutura leonina eleita em março de 2017, na sequência da crise que afeta o clube após agressões de alegados adeptos à equipa de futebol e detenções no clube por suspeita de corrupção desportiva.

Em carta dirigida a Jaime Marta Soares (Assembleia-Geral), Bruno de Carvalho (Direção) e Nuno Silvério Marques (Conselho Fiscal), o dirigente alega, segundo a mesma fonte do clube, não existirem condições para a sua continuidade.

Também o presidente e vários membros do Conselho Fiscal e Disciplinar (CFD) do Sporting apresentaram hoje a demissão e apelaram ao presidente do clube lisboeta, Bruno de Carvalho, e à restante direção que renunciem também aos cargos.

Na terça-feira, cerca de 50 pessoas, de cara tapada, alegadamente adeptos ‘leoninos’, invadiram a Academia de Alcochete e, depois de terem percorrido os relvados, chegaram ao balneário da equipa principal, agredindo vários jogadores, entre os quais Bas Dost, Acuña, Rui Patrício, William Carvalho, Battaglia e Misic, o treinador Jorge Jesus e outros membros da equipa técnica.

Na sequência da invasão à Academia ‘leonina’, a GNR deteve 23 suspeitos, apreendeu cinco viaturas ligeiras, vários artigos relacionados com os crimes e recolheu depoimentos de 36 pessoas, entre jogadores, equipa técnica, funcionários e vigilantes ao serviço do clube.

Os detidos foram já identificados, ficaram a conhecer os factos que lhes são imputados e começaram hoje a ser ouvidos por um juiz de instrução criminal no Tribunal do Barreiro.

O Ministério Público disse na quarta-feira que os detidos pelas agressões a futebolistas do Sporting são suspeitos de práticas que podem configurar crimes de sequestro, ameaça agravada, ofensa à integridade física qualificada e terrorismo, entre outros.

As reações aos acontecimentos em Alcochete foram de condenação do ataque e abrangeram o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, o presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, e o primeiro-ministro, António Costa.

Face às críticas, Bruno de Carvalho negou hoje, em comunicado enviado à Lusa, qualquer responsabilidade pelo ataque na academia, rejeitou demitir-se da presidência do Sporting e anunciou que vai processar Ferro Rodrigues, bem como comentadores e jornalistas por o terem “difamado e caluniado” após os atos de violência em Alcochete.

O Presidente dos leões criticou ainda Marcelo Rebelo de Sousa por não esclarecer se estará no Jamor este domingo, 20 de maio, para a Final da Taça de Portugal que será disputada entre o Sporting e o Desportivo das Aves.

Pelo contrário, António Costa já garantiu a sua presença.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.